Você está em:

Fazer silêncio para escutar a ternura de Deus

Na missa desta quinta-feira na Capela da Casa de Santa Marta o Papa Francisco afirmou que nos fará bem neste Advento um pouco de silêncio e, tomando como estímulo da sua homilia a leitura do Livro do Profeta Isaías, sublinhou não tanto o que o Senhor nos diz mas sim, como nos diz. Fala-nos como um pai e uma mãe falam ao seu menino:

“Quando um menino tem um pesadelo, acorda, chora … o pai vai e diz: não temas, não temas, eu estou aqui. Assim fala-nos o Senhor. ‘Não temas vermezinho de Jacob, larva de Israel’ O Senhor tem este modo de falar: aproxima-se…Quando vemos um pai e uma mãe que falam com os seus filhos, nós vemos que eles tornam-se pequenos e falam com voz de criança e fazem gestos de criança. Quem olha de fora até pode pensar: Mas estes são ridículos! Porque o amor do pai e da mãe tem necessidade de aproximar-se e de baixar-se ao mundo do menino. E assim é o Senhor.”

“E depois o pai e a mãe dizem coisas um pouco ridículas ao menino: ‘Ah, meu amor, meu brinquedinho…’ e essas coisas assim. Também o Senhor o diz: ‘vermezinho de Jacob’, tu és como um vermezinho para mim, uma coisinha pequena, mas amo-te tanto. Esta é a linguagem do Senhor, a linguagem do amor de pai e de mãe. Palavra do Senhor? Sim ouvimos aquilo que diz mas também como o diz e nós devemos fazer aquilo que faz o Senhor: com amor, com ternura, com aquela condescendência para com os irmãos.”

Deus – explicou o Santo Padre citando o encontro de Elias com o Senhor – é como a brisa suave, ou, como diz o texto original, um ‘fio sonoro de silêncio’ e assim – continuou o Papa Francisco – o Senhor aproxima-se com aquela sonoridade do silêncio própria do amor. É a música da linguagem do Senhor:

“Esta é a música da linguagem do Senhor, e nós na preparação para o Natal devemos ouvi-la: devemos ouvi-la, vai fazer-nos bem, muito bem. Normalmente, o Natal parece uma festa de muito barulho: faz-nos bem um pouco de silêncio e escutar estas palavras de amor, estas palavras de tanta proximidade, estas palavras de ternura… ‘Tu és um vermezinho, mas eu amo-te tanto!’ Por isto. E fazer silêncio, neste tempo em que, como diz o prefácio, nós somos vigilantes à espera.”

       Rádio Vaticana

VEJA TAMBÉM