Você está em:

A vida cristã não é uma festa, mas “alegria em esperança”

“A vossa tristeza se converterá em alegria”. A promessa de Jesus aos seus discípulos esteve no centro da Missa desta manhã do Papa Francisco na Casa Santa Marta. Na sua homilia, o Pontífice fez quase um hino à alegria cristã, que, observou, não se pode comprar, mas só receber como dom do Senhor. A alegria dos cristãos, disse ainda, é a “alegria em esperança”:São Paulo “era muito corajoso”, “porque ele tinha a força no Senhor”. O Papa Francisco desenvolveu a partir desta constatação a sua homilia, toda focalizada na alegria do cristão.

 

“Certamente,às vezes até mesmo o Apóstolo dos gentios tinha medo” disse o Santo Padre. “Isso acontece com todos nós na vida ter um pouco de medo”. E se faz a pergunta se “não seria melhor abaixar um pouco o nível e ser um pouco não tanto cristão e buscar um compromisso com o mundo”. Paulo, no entanto, sabia que o que ele fazia não era apreciado nem pelos judeus, nem pelos pagãos”, mas ele não pára e, por isso, deve suportar dificuldades e perseguições. Isso, acrescentou, “nos faz pensar nos nossos medos, nos nossos temores”. Também Jesus no Getsémani teve medo, angústia. E no seu discurso de despedida, recordou o Papa, aos seus discípulos, diz claramente que “o mundo se alegrará”, pelos seus sofrimentos, como irá acontecer com os primeiros mártires do Coliseu:E devemos dizer a verdade: não toda a vida cristã é uma festa. Não toda ela! Choramos…, tantas vezes se chora. Quando se está doente; quando há um problema em família com o filho, com a filha, a esposa, o marido; quando se vê que o salário não chega ao final do mês e há um filho doente; quando se vê que não se pode pagar a hipoteca da casa e se deve deixar a casa… Tantos problemas, tantos que nós temos. Mas Jesus nos diz: ‘Não tenhais medo!’. ‘Sim, vão ficar tristes, vão chorar e até mesmo as pessoas se alegrarão com isso, as pessoas que estão contra vós’.

“Mas, também, – prosseguiu o Papa Francisco – há outra tristeza: a tristeza que nos vem quando enveredamos por um caminho que não é bom”. Quando “compramos a alegria, aquela do mundo, a do pecado, e por fim há um vazio dentro de nós”. Uma tristeza que é alegria má. Pelo contrário, o cristão é “alegre em esperança”:Mas, no momento da dificuldade, nós não a vemos. É uma alegria que é purificada pelas provações, inclusive de todos os dias. A tristeza se transformará em alegria. Mas é difícil quando visitamos um doente, que tanto sofre, dizer: ‘Coragem! Coragem! Amanhã haverá alegria!’. Não se pode dizer isso! Devemos fazê-lo sentir como fez Jesus. Também nós, quando estamos na escuridão, que não vemos nada: ‘Eu sei, Senhor, que esta tristeza se transformará em alegria. Não sei como, mas eu sei!’. Um acto de fé no Senhor. Um acto de fé!

Para entender a tristeza que se transforma em alegria, disse ainda o Papa, Jesus cita como exemplo a mulher que dá à luz: “É verdade, no parto a mulher sofre tanto – afirmou Francisco –, mas depois, quando está com a criança, se esquece”. O que permanece, portanto, é “a alegria de Jesus, uma alegria purificada”. Uma alegria, reconheceu, “escondida nalguns momentos da vida, que não se sente nos momentos maus, mas que vem depois: uma alegria em esperança”. Portanto, esta é a “mensagem da Igreja de hoje: não ter medo!”:

Ser corajoso no sofrimento e pensar que depois vem o Senhor, a alegria, chega o sol depois da escuridão. Que o Senhor dê a todos nós esta alegria em esperança. E o sinal de que nós temos esta alegria em esperança é a paz. Quantos doentes, que estão no fim da vida, com as dores, têm aquela paz na alma … Esta é a semente da alegria, esta é a alegria em esperança, a paz. Se tens paz, então tens a semente da alegria que virá depois. Que o Senhor nos faça entender estas coisas.

 

Rádio Vaticana

VEJA TAMBÉM