Artigo de dom walmor

Você está em:

Dom Walmor Oliveira de AzevedoOs resultados eleitorais norteiam o caminho da sociedade. Esta obviedade guarda no seu bojo exigências e consequências. É grande a responsabilidade cidadã de votar. Um desafio, às vésperas das eleições, escolher candidatos que garantam maior qualificação dos quadros parlamentares e executivos. O ato de votar precisa ser precedido de um exercício cidadão de aplicação de critérios para ajuizar valoração quanto aos nomes que estão se oferecendo para serem sufragados nas eleições deste ano. Este exercício supõe muito mais que a comum tentativa de ter sido convencido, enquanto eleitor, por meio de argumentos variados que, às vezes, desqualificam o adversário. Ou os que enaltecem de maneira exagerada e até fanática alguma figura com seus feitos e conquistas não localizados, devidamente, no leito de suas obrigações e das condições garantidas e propícias para que se chegasse a metas e exigências quanto ao bem da sociedade.

É incontestável que a propaganda eleitoral gratuita tenha importância, por vezes mais informativa e laudatória na direção de um exitoso e rápido convencimento e menos como contribuição educativa para que cada cidadão exerça seu poder intransferível de maneira independente e com escolhas que garantam o melhor para a sociedade. Não se pode, no entanto, deixar de reconhecer o quanto tem amadurecido a cidadania na sociedade brasileira. Os partidos têm, é verdade, uma contribuição no âmbito próprio de suas configurações ideológico-partidárias que impulsionam e alavancam, de algum modo, os discernimentos – embora se constate as indecifráveis e inexplicáveis coligações que misturam combinações por força do interesse de agregar votos que não estariam naquela urna se respeitados princípios e diferenças.

Urge, por isso, uma reforma política que adentre os meandros da realidade eleitoral para ordenar as práticas e exercícios. A contribuição mais significativa, e com força educativa, preparatória para o ato cidadão de votar, é tecida pela ética dos valores e dos princípios transformados em critérios para avaliar os candidatos. Há, no entanto, um sinal do quanto ainda falta para esse amadurecimento. É curioso ouvir a consideração de que se trata de uma postura geral, por isso mesmo, gerando a vaga sensação, quando se faz referência à postura educativa, neste caso no contexto eleitoral, por parte da Igreja Católica. A Igreja não faz política partidária, essa tem sua incontestável e necessária importância. Ela não pode correr o risco de perder rumos, declinando em direções antidemocráticas e autoritárias. Esta referência tem poder maior do que propaganda eleitoral, ideologia partidária ou outras razões, como aquelas que incluíam a retribuição de favores, os votos comprados ou a condição do eleitor encabrestado. Os critérios éticos discursados em documentos e cartilhas, debates e reflexões na Igreja Católica têm força na ideia que clareia realidades, nomes e permitem discernir o melhor para a sociedade.

A clareza advinda da propriedade dos valores e critérios éticos não permite comprometimentos no exercício da cidadania. Quando se considera a responsabilidade de perseguir o bem comum, tarefa de cada indivíduo e também do Estado, deve-se ter em mente que esta é a razão de ser da autoridade política, supondo que os eleitos tenham comprovada condição para esse exercício. Isto não se alcança sem profundidade ética, que configura e baliza condutas, evitando desvios, garantindo interpretações adequadas da realidade, sensibilizando para o diálogo e capacitando para a priorização das necessidades dos mais pobres.

Na verdade, o discurso ético, incidindo no contexto eleitoral, é tão mais forte em si do que o partidário, que respeita e investe na cidadania e tem força para influir nos resultados eleitorais. Compreende-se, portanto, que o horizonte ético traçado para avaliar cada candidato tem incidência nos resultados eleitorais. Aliás, precisa ter, sem entrar na confusão que seria gerada ao dizer que a Igreja não é mais a Igreja e, sim, o partido tal, ou cabo eleitoral de tal candidato.

Cada cidadão, iluminado pela fé e pela ética, tem poder, agora, de definir novo quadro político e influenciar, de maneira determinante, nos resultados eleitorais.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte