Artigo de dom walmor

Você está em:

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Caminhar com a juventude é compromisso que deve ser assumido por todos, como inestimável bem para a sociedade e a Igreja. A caminhada dos jovens, especial momento na programação da Semana Missionária na Arquidiocese de Belo Horizonte, ocorrerá neste sábado, 20 de julho, com concentração a partir das 14 horas, na Praça do Papa, em Belo Horizonte. Às 16 horas, os participantes seguirão pela Avenida Afonso Pena até a Praça da Estação.  A presença dos jovens, acompanhados e apoiados por familiares e amigos, particularmente por todos os que se movem pela fé em Jesus Cristo, se constituirá num evento significativo para a sociedade. 

 

Essa manifestação com os jovens, grandes protagonistas desta nova etapa que exige um novo tempo para a sociedade brasileira, será a oportunidade de qualificar o atual, complexo e exigente processo de transformação social com os valores do Evangelho de Jesus Cristo. O tratamento político indispensável ao contexto requer esse aprimoramento para superar superficialidades partidárias e galgar níveis de comprovado sentido de bem comum. Muitas referências e instâncias, outrora com força de colaborar com incidências em processos dessa natureza, estão enfraquecidas. As razões de seu enfraquecimento incluem desde a falta de maior sensibilidade social até práticas perigosas de favorecimentos ou de dominação cartorial, especialmente daquilo que deveria funcionar em benefício de todos. 

 

O caminho para as mudanças encontra-se em Jesus Cristo e no seu Evangelho, garantia incontestável da necessária qualificação para se alcançar o desejo das novas gerações, resumido no tema da caminhada do próximo sábado: “A juventude quer viver”. Para se alcançar esse anseio, demandam-se transformações muito significativas, até radicais, em funcionamentos e procedimentos que configuram a sociedade. A Semana Missionária, o Congresso Mundial de Universidades Católicas e o ápice desses acontecimentos, a Jornada Mundial da Juventude, são preciosas oportunidades para uma verdadeira transformação. 

 

Entre nós já estão muitos jovens procedentes de diversas partes do mundo. Na Jornada Mundial da Juventude o coração destes peregrinos vai bater forte ao redor do Papa Francisco. Essas experiências de fé e comunhão precisam fazer a diferença, remodelando mentes, contextos e dinâmicas da sociedade. O fascínio por uma pessoa, Jesus Cristo, é a razão maior, iluminadora de todas as outras, rumo novo à pauta extensa de demandas pela construção de um mundo mais justo e solidário, em que homens e mulheres sejam construtores da paz.

 

Já no próximo sábado, durante a caminhada “A juventude quer viver” é importante a presença corajosa de cada um, de todos aqueles que apostam nos jovens e com eles buscam um novo tempo. O gesto de caminhar, com o jeito jovem de ser e de se manifestar, pacificamente, seguindo os passos do Senhor da paz, é pública adesão e comprometimento no enfrentamento de problemas gravíssimos que estão desfigurando a sociedade. Nessa extensa pauta, não se pode fechar os olhos à dependência química, “mancha que invade tudo”, como expressaram os bispos no Documento de Aparecida. Esse é um flagelo que atinge todos, especialmente os jovens.

 

Nessa busca por mudanças estão inscritos os desafios da educação, saúde, trabalho, moradia e o inegociável anseio, direito e exigência de todos os cidadãos, pela reforma política, particularmente com modos novos de fazer e de ser político. A caminhada dos jovens, com essa importante bandeira de que “a juventude quer viver”, merece apoios e nossa presença. A luz para esse novo tempo protagonizado pelos jovens é, incontestavelmente, o seu encontro com Jesus Cristo Vivo, seu seguimento na Igreja e na sociedade. Nesse sentido, lembro o Bem-Aventurado João Paulo II, o instituidor da Jornada Mundial da Juventude, quando diz que “só o que é construído sobre Deus e sobre o amor é durável”. 

 

A caminhada com os jovens tem força de congregar todos por seu sentido  significativo de cidadania. Sendo Jesus Cristo e seu Evangelho a razão maior, será uma caminhada ecumênica. Reunirá aqueles que acreditam na juventude e têm coragem de seguir com ela na busca por mudanças. Venham, vamos todos. Neste sábado e também no domingo, quando às 16h, na Praça da Estação, concluiremos a Semana Missionária e o importante Congresso Mundial de Universidades Católicas, realizado na PUC Minas. Depois, no Rio de Janeiro, solidariamente, renovaremos nosso compromisso de sempre caminhar com os jovens.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte