Você está em:

Retornando da cidade de Aparecida, onde participou da 56ª Assembleia Geral dos Bispos, dom Walmor celebrou Missa, no dia 22, às 8h, no Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade.

No dia 23, segunda-feira, o Arcebispo reúne-se com a diretoria de instituições da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Na terça e quarta-feira, dias 24 e 25, dom Walmor preside assembleias e reuniões com instituições da Arquidiocese. Ainda na quarta-feira, dom Walmor preside a reunião do Conselho Episcopal.

O Arcebispo reúne-se, na quinta-feira, dia 26, com os responsáveis pelos projetos de sustentabilidade das ações sociais da Arquidiocese.

Nos estúdios da Rede Catedral de Comunicação Católica, dom Walmor grava os programas de rádio e televisão Encontro com o Pastor e Mãe Maria. Os programas são transmitidos pelas emissoras da Arquidiocese de Belo Horizonte: TV Horizonte e Rádio América (AM 750), e por rádios e TVs católicas de todo o Brasil.

No sábado, dia 28, as comunidades da Paróquia Jesus Missionário recebem a visita pastoral de dom Walmor. O Arcebispo, com os fiéis das comunidades de fé da Paróquia, partilha momentos de oração e fraternidade.

De volta de Aparecida, onde participou da 56ª Assembleia Geral da CNBB, dom Mol dedica-se a atendimentos na Região Episcopal Nossa Senhora da Esperança.

O bispo auxiliar, ao longo da semana, participa de reuniões na reitoria da PUC Minas.

Na quarta-feira, dom Mol participa do Conselho Episcopal, no Palácio Cristo Rei.

Na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, o bispo crismou jovens que participavam do curso de preparação para o Sacramento da Confirmação.

No dia 23 de abril, às 19h, dom Edson preside Missa, na Festa de São Jorge, na paróquia dedicada ao santo, no bairro Jardim América.

Na manhã de terça-feira, dia 24 de abril, o Bispo participa do Encontro promovido pela Pastoral Presbiteral da RENSC, com os padres da maturidade em Sabará. À tarde, participa das Assembleias Institucionais.

Na quarta-feira, dia 25, pela manhã, dom Edson participa da Reunião do Conselho Episcopal na Cúria Metropolitana e, às 19h30, preside inauguração do Auditório da Paróquia Nossa Senhora da Divina Providência, bairro São Luiz.

Na manhã de quinta-feira, dia 26, participa da reunião no Palácio Cristo Rei e à tarde dedica-se aos atendimentos na Cúria da Região Episcopal Nossa Senhora da Conceição (RENSC).

Na tarde de sexta-feira, dia 27, dom Edson participa da reunião da Pastoral Arquidiocesana do Dízimo, na Cúria Metropolitana.

Sábado, dia 28 de abril, pela manhã, o Bispo participa da Assembleia Regional de Liturgia, na PUC São Gabriel. Às 19h, preside Celebração do Crisma na Paróquia Sagrada Família de Nazaré, em Ribeirão das Neves.

Dom Edson preside Celebração do Crisma, na manhã de domingo, dia 29 de abril, 8h e 10h, na Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, bairro Céu Azul. Às 18h, preside Celebração do Crisma na Paróquia Bom Jesus e Nossa Senhora Aparecida, na Comunidade Bom Jesus, em Santa Luzia.

No dia 24, dom Geovane grava o programa “Alegria do Evangelho” na Rádio América, emissora da Rede Catedral de Comunicação Católica. Às 18h15, preside Celebração Eucarística no Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua, Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem.

O bispo participa de reunião com os bispos na Cúria Metropolitana, no dia 25, quarta-feira. À tarde, dedica-se a atendimentos na sede da Cúria da Região Episcopal Nossa Senhora da Piedade.

Na quinta-feira, dia 26, dom Geovane dedica-se a atendimentos na Cúria Metropolitana.

Sexta-feira, pela manhã, dom Geovane se reúne com os funcionários do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Sábado, dia 28, participa da Assembleia Regional de Liturgia da Região Episcopal Nossa Senhora da Conceição. Às 18h30, preside celebração eucarística na Paróquia Menino Jesus.

Dom Geovane, no dia 29, domingo, celebra Missa e novena na Paróquia São José Operário. Às 18h, preside celebração eucarística no Seminário São José em Mariana – MG.

Na manhã desta terça-feira, 24 de abril, dom Otacílio participa da reunião da Forania Cristo Luz dos Povos, no Colégio Salesiano, em Belo Horizonte.

Na quinta-feira, 26 de abril, o bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte estará presente à reunião da Forania Nossa Senhora do Sagrado Coração, na Paróquia Jesus Operário, em Contagem. À noite, acompanha o curso Igreja e Sociedade, na Forania São Paulo da Cruz, na região do Barreiro.

No domingo, 29 de abril, dom Otacílio preside Missa e confere o Sacramento da Crisma na Paróquia Maria, Estrela da evangelização, às 9h30. À noite, celebra Missa e confere o Sacramento da Crisma na Paróquia Santa Clara e São Francisco, em Belo Horizonte, às 19h30.

Dom Vicente Ferreira visita a Igreja Histórica Paróquia Nossa Senhora da Piedade nesta segunda-feira, onde também preside reunião sobre assuntos administrativos.

Na terça-feira, dia 24, a partir das 14h, o bispo dedica-se a atendimentos na Mitra Arquidiocesana. Às 20h celebra promessas definitivas das irmãs da Comunidade Shalom, na Igreja de Lourdes

Quarta-feira, dia 25, a partir das 9h, o Bispo se reúne com o Conselho Episcopal, no Palácio Cristo Rei.

Dia 26, quinta-feira, a partir das 9h, dom Vicente participa de reunião no Memorial Arquidiocesano.

Na sexta-feira, dia 27, dedica-se a atendimentos no Vicariato Especial para a Ação Missionária, no Vale Paraopeba.

Na Cúria da Região Episcopal Nossa Senhora Aparecida, dom Vicente conduz reunião com a juventude, no sábado dia 28, às 9h. Às 17h, celebra com as famílias Sacerdotais dom José Maria Pires, na cidade de Sarzedo.

No domingo, dia 29 de abril, a partir das 8h30, dom Vicente ministra o Encontro dos Institutos Seculares do Regional Leste 2, Minas e Espírito Santo, com palestra e celebração na Sede do Instituto Secular Unitas-Brasil.

Às 17h, o bispo preside celebração na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, durante o Encontrão do Apostolado da Oração, no bairro São Conrado, em Brumadinho.

Você está em:

[Artigo] Lugar do memorial do Mistério Pascal – Padre Márcio Pimentel, Paróquia São Sebastião e São Vicente

Cristo é o Templo Vivo e Verdadeiro, Espaço erguido em meio ao Povo pelo próprio Deus, para manifestação de sua glória. O Pai o ergue dentre os mortos pela sua Ressurreição, tornando-o ponto axial entre velho e o novo ser humano. O ergue por sua morte redentora, que objetiva estender a salvação a toda carne. Desse modo, o Senhor Jesus se entrega, permitindo livremente que fosse destruído, para, três dias após, ser reerguido, qual templo, conforme cita João em seu Evangelho. Essa é a natureza mesma do Mistério Pascal, epicentro da História da Salvação e por essa razão do acontecimento litúrgico.

A imagem Cristo-Templo (Christós-Naós) transparece para nós como chave de leitura do próprio acontecimento pascal. Conforme ensina o Concilio Vaticano II, mediante o Mistério Pascal, Deus visa “salvar todos os homens e fazer com que cheguem ao conhecimento da Verdade”. Ele – o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor – aparece como cumprimento de tudo quanto Deus manifestou de Si, mesmo na longa e paciente História da Salvação.  Esse Mistério tem início já na encarnação, quando é concebido no seio da Virgem Maria.

Tudo quanto Deus sonha para o mundo e, em particular, para o ser humano, se vê concebido – concretizado – na carne de seu Filho ainda no ventre aberto da Virgem. Aquela “Palavra Eterna” que são Paulo, fiel à tradição judaica, compreende como arquétipo (modelo primeiro) de toda a criação é constituído pela ação do Espírito, um corpo. Deus mesmo edifica sua morada, sua casa, onde habitará todo esplendor de sua santidade, destinada a iluminar todo ser humano e transformá-lo à sua imagem.

Esse “momento” da História da Salvação, utilizando a terminologia do grande Salvatore Marsili*, torna-se paradigma de toda teologia e vida cristãs. Em Cristo, a carne humana – nossa humanidade – se torna o lugar de encontro entre o Céu e a Terra, onde convivem o Tempo e a Eternidade, Espaço Sagrado por excelência. E é assim que Deus alcança todo ser vivente, em especial, a pessoa humana: constituindo-o lugar de sua morada, transfigurando-o em espaço luminoso pelo esplendor de sua glória. Com razão, os padres conciliares concluíram: “Com efeito, sua humanidade (de Cristo), na unidade da pessoa do Verbo, foi instrumento de nossa salvação.”

Este acontecimento cujo significado a teologia litúrgica concentra na expressão “Mistério Pascal” é a razão mesma da construção de espaços sagrados ontem e hoje. Ainda que seja importante, lembrarmos que houve um período no qual os cristãos não possuíam templos para seu culto, pois celebravam nas casas. Pouco a pouco, a necessidade antropológica de constituir um espaço circunscrito para o culto prevaleceu. Entretanto, a perspectiva teológica e espiritual deste espaço esteve delimitada pelo nexo com o Mistério da Pascal. Hoje, portanto, não se pode descuidar que os novos espaços construídos para o culto divino sejam tomados por intuições puramente antropológicas a ponto de confundir-se com perspectivas paganizantes – no sentido de estarem aquém daquela linguagem própria do Evangelho de Cristo. E isto se evita, não pela conservação de formas e esquemas estéticos do passado, que podem ser situados num ou noutro século, mas pela atenção que se deve dar ao acontecimento que será memorável no espaço a ser construído. Um bom espaço sagrado é aquele que – nas palavras de Marko Rupinik – segue celebrando a Liturgia, mesmo quando esta não está sendo celebrada. A Liturgia de Jesus.

*Padre Salvatore Marsili- abade beneditino, foi “teólogo da liturgia” – toda a sua longa pesquisa teve como método radicar seu discurso litúrgico na “teologia do Mistério de Cristo”.

 

Pe. Márcio Pimentel
Liturgista