Você está em:

 

Há poucos dias, enquanto conversava descontraidamente com a minha filha, ainda criança, fiz aquela pergunta tão costumeira: “o que você quer ser quando crescer?”. A resposta foi cheia de dúvidas: escritora, juíza… ou médica talvez. E então insisti no assunto: “e política?”. A isso ela respondeu prontamente: “de jeito nenhum!”. “Mas e se você tiver vocação para isso?” insisti eu. Após pedir explicações sobre o que é uma vocação, ela respondeu seguramente: “Vocação para política?! Eu?! Não. Deus é bom. Ele não faria isso comigo”, disse ela pondo um ponto final nessa questão.

É engraçado, mas ao mesmo tempo preocupante, o desinteresse das novas gerações pela política. As notícias de sujeira e corrupção, aliadas às críticas azedas e frequentes dos pais, professores e adultos em geral, faz com que nossos filhos olhem para os políticos com desconfiança. Pior ainda, há em muitos a certeza de que é absolutamente impossível entrar nesse meio sem se enlamear numa corrupção generalizada e impossível de ser combatida.

Como já dissemos em outras oportunidades, penso que são apenas os corruptos que gostam da afirmação de que “todo mundo é corrupto”. Isso porque pensar que todos são desonestos é a melhor maneira que encontram de justificar a própria desonestidade. Além disso, com tal consideração, procuram anestesiar a consciência que, vez por outra, ameaça pesar com as falcatruas que se sucedem em suas vidas. E o fazem talvez dizendo de si para si que não há nenhum mal em suas ações, afinal, “qualquer pessoa na sua situação faria o mesmo…”.
 

Quando alguém está habilitado para um cargo ou uma função pública e deixa de fazê-lo por preguiça, por medo ou por covardia, dá a oportunidade para que outras pessoas, talvez menos escrupulosas e preparadas, venham a ocupa-los, com todas as consequências danosas

Mas é inegável que os últimos acontecimentos que vivenciamos permitem concluir que há mesmo um problema crônico de corrupção no nosso País. Talvez por isso muitas mães e pais honestos e honrados, agindo com a melhor das intenções, desencorajam vivamente as suas filhas e os seus filhos a se lançarem na política.

Acontece que, se todas as pessoas de bem agirem assim, não haverá uma solução para a corrupção dentro do próprio sistema político vigente. Por mais eficiente que venha a ser a Polícia e o Judiciário para condenar os corruptos, os cargos públicos haverão de, novamente, ser ocupados por políticos.

A crise é sempre também uma oportunidade. Assim, o cenário político sombrio em que vivemos nos convida a refletir sobre essa questão. E que essa fomente a decisão das pessoas que têm vocação profissional para a política que a isso se lancem com coragem e valentia.

É interessante refletirmos, também, sobre as graves consequências que a nossa omissão pode causar. Quando alguém está habilitado para um cargo ou uma função pública e deixa de fazê-lo por preguiça, por medo ou por covardia, dá a oportunidade para que outras pessoas, talvez menos escrupulosas e preparadas, venham a ocupa-los, com todas as consequências danosas disso.

De fato, a solução do problema não é simples. É inegável que uma campanha eleitoral ainda tem custos econômicos muito elevados, de maneira que a busca pelos meios para a obtenção de recursos para isso colocam os políticos honestos diante de delicadas decisões, ao menos sob o aspecto ético. Apesar disso, porém, convém considerar que toda obra boa e meritória implica sacrifício, esforço e, no mais das vezes, coragem e ousadia.

Um pai que se preocupa com a formação das suas filhas e dos seus filhos não deveria estar a todo tempo cuidando de poupá-los do que representa esforços e riscos. Importa, antes de tudo, que descubram a missão que lhes é confiada neste mundo. E para aqueles que estão chamados à sublime missão de governar, cumpre encorajá-los e apoiá-los, sobretudo com uma educação sólida nas virtudes, capaz de mantê-los íntegros e limpos, ainda que se embrenhem – esperamos que por pouco tempo – num mar de lamas.
 

 

Fábio Henrique Prado de Toledo
Juiz de Direito e Especialista em Matrimônio e Educação Familiar
 pela Universitat Internacional de Catalunya – UIC