Você está em:

 

 

Domingo de Ramos da Paixão do Senhor ANO C

Jesus é o servo sofredor, que na liberdade de Filho escuta e realiza a vontade do Pai. Celebramos a entrada de Jesus em Jerusalém, como anúncio e imagem do triunfo da ressurreição sobre a morte na cruz.

O espaço
Vale lembrar que esta celebração ocorrerá em dois espaços: uma capela ou igreja ou outro lugar apropriado onde acontecerá a bênção dos ramos e de onde sairá a procissão em honra de Cristo, em direção à igreja onde se desenvolverá todo o restante da celebração. A cor vermelha nas vestes e demais paramentos revelam a índole do mistério que se celebra. Uma Ikebana junto ao ambão e ao altar destacam as mesas de onde Cristo se oferece aos seus amigos e amigas. Valorizar os símbolos deste domingo: os ramos (sobretudo as ervas cheirosas), sinal da vitória da ressurreição e o Evangeliário, de onde é proclamada a narrativa da Paixão.

A procissão
A comunidade dos cristãos é convidada  a seguir os passos de Jesus. Associando nossa vida à vida do Senhor, carregamos e assumimos com Ele nossa cruz para também com Ele participarmos de sua ressurreição. A cruz processional conduza a procissão dos fiéis. Cuide-se para que os cantos da procissão e do restante da celebração sejam previamente preparados e ensaiados. É bom que se entoe na procissão os salmos previstos e o Hino a Cristo Rei. Nas livrarias Paulus e Paulinas, encontram-se  os Cds com cantos para o domingo de ramos e o tríduo pascal.

A palavra
A entrega de Jesus na cruz é o ponto alto de toda uma vida de oferta, serviço e doação, iniciada na encarnação. Sendo Deus, Jesus Cristo esvazia-se de sua condição divina para assumir a condição humana, com todos os seus desafios. Sua morte é a consequência lógica da proposta do Reino em favor dos pobres, sofredores e excluídos. Insistimos que as leituras sejam bem preparadas, uma vez que nos predispõe para o mistério do servo sofredor que entrega sua vida. Em alguns lugares é costume que o Evangelho da Paixão seja dialogado. Neste caso ele deverá ser bem  ensaiado por todos que irão participar. Lembramos que o lugar da proclamação é o ambão. Será de bom tom que a proclamação seja realizada do Evageliário. A homilia seja breve e ressalte o mistério pascal da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo que se estende na páscoa do mundo, na páscoa das nossas vidas.

Tânia da Silva Mayer

Mestranda em Teologia Sistemática
pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE)