Você está em:

Sacerdotes da Arquidiocese de BH participam de formação permanente

  Dom João Justino

O clero da Arquidiocese de Belo Horizonte reuniu-se em momento de formação  permanente, realizado, na terça-feira, dia 1º de março, na Unidade Coração Eucarístico da PUC-Minas. Os sacerdotes foram convidados, pela Pastoral Presbiteral, a refletir sobre os temas “Homem da Misericórdia”, conduzido pelo bispo de Teófilo Otoni, dom Aloísio Pena Vitral, e sobre o documento “Motu próprio Mittes Iudex” (orientações sobre novos procedimentos para os processos de verificação de nulidade matrimonial), apresentado pelo padre Mário Sérgio Bittencourt de Carvalho Vigário Judicial do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Belo Horizonte.

A partir desses temas, segundo dom João Justino , bispo auxiliar da Arquidiocese e Belo Horizonte e referencial para a Pastoral Presbiteral,  surgirão, este ano, questões de grande importância  para a Igreja.  “Por isso, convidamos dom Aloísio Vitral para aprofundar as reflexões sobre ‘o presbítero como homem tocado pela misericórdia de Deus’. Ao partilhar sua experiência, ele ajuda os padres e diáconos a pensarem o ministério no horizonte da misericórdia: como somos tocados pela misericórdia de Deus e como somos chamados a levar sua misericórdia aos irmãos e irmãs”.
 

  Dom Aloísio Pena Vitral

Na parte da tarde os sacerdotes tiveram a assessoria do padre Mário Sérgio Bitencourt no estudo Motu próprio Mittes Iudex. O documento, publicado em setembro de 2015 pelo Papa Francisco, modifica alguns procedimentos nos processos de verificação de nulidade matrimonial. “Toda a imprensa divulgou muito aquelas mudanças e precisamos entendê-las a fundo. O Padre Mário Sérgio participou de diversos encontros promovidos pela Igreja  no Brasil  e hoje vai multiplicar o que ele estudou e foi buscar nos diversos encontros realizados sobre o tema”, explicou dom João.
 

Padre Mário Sérgio Bittencourt

O bispo ressaltou a necessidade de os padres compreenderem  esses processos,  por ser no  âmbito  paroquial que os cônjuges conversam sobre sua situação conjugal, “Muitas vezes, no momento da crise pairam no horizonte dúvidas  sobre  se o casamento é válido ou não, e é importante que os párocos saibam orientar essas pessoas diante dos novos procedimentos”.

Para Dom Aloísio, a “misericórdia” deve preceder todas as questões.  “Essa palavra sempre mexeu muito comigo, inclusive, meu lema de bispo é  ‘Encharcado de profunda misericórdia’. É uma palavra  que para mim é muito forte, e que o Papa a traz de maneira  que eu chamaria quase nova,  que nos chega com sabor novo, sabor de um instante novo”.  
 

Da direita para a esquerda : Dom Luís Gonzaga e Padre Edecildo