Você está em:

Relíquia de Irmã Benigna é acolhida no Santuário Nossa Senhora da Piedade

Um momento especial de fé e celebração em memória de Irmã Benigna marcou a acolhida das relíquias da Serva de Deus no Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, nesta sexta-feira, dia 28 de outubro. Os restos mortais de Monsenhor Domingos Evangelista Pinheiro, fundador da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade, da qual Irmã Benigna fazia parte, também foram acolhidos pelos fiéis na Casa da Padroeira de Minas. Uma Missa às 15h, na Ermida, reuniu centenas de devotos e amigos.

A senhora Maria do Carmo, de 83 anos, participou deste momento com muita emoção. Ela conviveu com a Serva de Deus por quase trinta anos e se lembra com carinho de todos os ensinamentos deixados por Irmã Benigna: “ela era uma pessoa muito iluminada, diferente de tudo o que eu já tinha visto. Tratava todas as pessoas com um amor enorme, principalmente as crianças, os idosos e os mais necessitados. Ela sempre levava uma palavra de fé e esperança e conseguia alegrar todos a sua volta”. Dona Maria do Carmo é mãe de um filho especial, e relata que, quando criança, desenganado pelos médicos, ele teve melhoras no estado de saúde após começar a conviver e orar com Irmã Benigna. Após o falecimento de Irmã Benigna, Maria do Carmo fundou a Associação dos Amigos de Irmã Benigna (Amaiben).

 
Padre Fernando César, reitor do Santuário, que presidiu a celebração, o processo de beatificação da religiosa representa um momento muito importante para a igreja e para os fiéis, que poderão ter um exemplo como o da Irmã Benigna Victima de Jesus para se espelhar. “Isso significa a gente reafirmar a graça concedida àqueles que, de fato, vivem a fidelidade e a obediência ao evangelho. E é esta graça que a Irmã Benigna alcança, é essa graça que, por meio dela, somos nós também convidados a alcançar, a sermos fiéis e obedientes como ela foi”, ressalta o padre.
 
Após a Missa, os devotos se reuniram na Praça Cardeal Motta, em frente à Ermida, para rezar 90 vezes a oração “Salve a Rainha”, que Irmã Benigna gostava de rezar com todos aqueles que recorriam a ela pedindo orações. 
 
Na manhã do dia 29, sábado, será realizado o translado dos restos mortais para o Recanto Monsenhor Domingos, que pertence à Congregação, localizado aos pés do Santuário Nossa Senhora da Piedade (Rodovia MG 435 – Km 6 – Caeté). Às 10h haverá a bênção da pedra fundamental do Memorial Irmã Benigna. Às 11h, será celebrada Missa em memória de Irmã Benigna, seguida de procissão até a Cripta da Capela São Luiz, onde ficará relíquia. 
 
Durante todo o ano de 2016, quando são recordados os 35 anos de falecimento de Irmã Benigna, a Associação dos Amigos de Irmã Benigna (Amaiben) e a Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade realizam celebrações todos os meses em memória da Serva de Deus.
 
Irmã Benigna Victima de Jesus nasceu em 1907, na cidade de Diamantina (MG). Tornou-se religiosa da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade e sua vida foi marcada pela caridade e generosa acolhida aos mais pobres. Morreu no dia 16 de outubro de 1981. No dia 15 de outubro de 2011, o Vaticano autorizou o início do processo de beatificação de Irmã Benigna. A fase diocesana desse processo foi concluída em janeiro de 2013, com o início da etapa romana.

Monsenhor Domingos Evangelista Pinheiro foi o fundador da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade. Em 1867 fundou o Asilo São Luiz para acolher as crianças pobres e filhas de escravos, libertadas pela lei do ventre livre. A Irmandade de Nossa Senhora da Piedade, também fundada por ele, auxiliava no cuidado das crianças e zelava pela singela Igreja do século 18, a Ermida da Padroeira de Minas Gerais, no alto do Santuário Nossa Senhora da Piedade. Alguns anos depois, doze jovens, que cresceram no Asilo São Luiz, seguindo o exemplo do Monsenhor Domingos, decidiram doar suas vidas para ajudar as crianças. Assim, no dia 28 de agosto de 1892, foi criada, aos pés do Santuário Nossa Senhora da Piedade, a Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade. 
 
Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade: com mais de 120 anos de serviço aos mais pobres e necessitados, a Congregação está presente em diversas partes do Brasil. Escolas, creches, asilos e comunidades pastorais compõem a missão das Irmãs Auxiliares. Uma história pautada no amor e na missão de ser presença geradora de vida, por meio da acolhida, da esperança, da fraternidade, da solidariedade e da compaixão, traços característicos de Nossa Senhora da Piedade.