Você está em:

Proclamar a Palavra – A Catequese a partir do século XX – artigo de Neuza Silveira – Comissão Bíblico-Catequética de BH

A catequese é o caminho que conduz ao conhecimento de Cristo. A ação catequética é um ato de amor para com a Santíssima Trindade. Uma ação que anuncia e aprofunda a mensagem salvadora de Jesus. É também um ato de amor para com todos aqueles a quem se destina. A eles ilumina na fé pela beleza da Revelação, sendo assim chamados a viverem plenamente os valores da Boa Nova.

A partir do século XX, caminhando com a proposta do Concílio Vaticano II, a Catequese assume, com toda a Igreja, a tarefa de introduzir cada pessoa no projeto salvífico do Pai, revelado a nós por Jesus Cristo. Esse processo não pode desconhecer a necessidade de mudança social que o momento atual exige. Por isso, deve procurar ajudar na evolução integral do homem e da mulher, orientando-os para que sejam fiéis ao Evangelho .

Com o novo jeito de evangelizar proposto pela Igreja do Vaticano II, redescobre-se na Catequese a importância fundamental da Iniciação cristã e da comunidade de fé. Passa-se a pensar em uma Catequese como educação permanente para a comunhão e participação na comunidade de fé. Uma catequese que ajude as pessoas a construírem seu itinerário de fé, inseridas no mundo de grandes transformações e com rápidas mudanças, mas vivenciando os valores do relacionamento interpessoal em meio a pequenas comunidades.

Entender toda a caminhada da Catequese, sempre em sintonia com as realidades diversas, nos ajuda a entender a importância que devemos dar à evolução da realidade da nossa Igreja e junto com ela percorrer o itinerário da fé com conteúdos que iluminam a vida da comunidade. Conteúdos que levam a conhecer Jesus. E conhecê-lo é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber. Conhecê-lo é colocar-se em contato com ele. Segui-lo!

Ao aceitar a “Palavra inspirada pelo Espírito”, aceita-se Deus na própria vida, como dom da fé. Isto significa conversão e seguimento a Jesus Cristo conforme nos diz o DNC 34. Nesse sentido, “a catequese não é uma supérflua introdução na fé, mas um processo exigente, um itinerário prolongado de preparação e compreensão vital, de acolhimento dos grandes mistérios da fé, da vida nova revelada em Cristo Jesus e celebrada na liturgia (cf. DNC 37).

Ainda hoje Jesus caminha no meio de nós e se apresenta através da Sagrada Escritura “Palavra de Deus escrita por inspiração do Espírito Santo”, que chama, convida, abre as portas do nosso coração para Deus. Deixar-se encontrar com Jesus é entender que ele preenche nossa vida com seu amor, sua ternura e sua mensagem. Encontrar-se com Jesus é deixar-se seduzir pelo seu mistério.

O encontro com Jesus acontece no cotidiano da vida. A cada dia e em todos os lugares, o encontro acontece. Ele mesmo nos diz: “Eis que estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,20). Nesse encontro, nessa adesão a Cristo, está o grande desafio da evangelização: mostrar a capacidade de formar discípulos missionários de Jesus Cristo. O discípulo nasce do encontro verdadeiro com Jesus Cristo, que deve ser transmitido como dom recebido de Deus.

Guiados pela dinâmica do encontro com Jesus, a Igreja nos convoca para uma ação evangelizadora missionária. Partindo das urgências pastorais apresentadas nas Diretrizes Gerais da ação evangelizadora da Igreja no Brasil nos dois últimos quadriênios, a Igreja nos faz o convite para estarmos em estado permanente de missão. Mas, ao mesmo tempo, somos alertados para a realidade atual que, em consequência das várias e rápidas mudanças, exige-se que o anúncio de Jesus Cristo seja explicado continuamente considerando todo o processo da Iniciação à vida cristã. Este é o grande desafio atual. Torna-se necessário desenvolver em nossas comunidades, um processo de Iniciação à Vida Cristã que conduza a um encontro pessoal, cada vez maior com Jesus Cristo. Segundo as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora do Brasil, esta é uma das mais urgentes em relação ao termo missão, em nossos dias.

A Conferência de Aparecida, além de elevar a iniciação à Vida Cristã à categoria de urgência, lembra-nos, ainda, que ela deve acontecer não apenas uma única vez na vida de cada pessoa. Afirma: “Ela não se esgota na preparação aos sacramentos do Batismo, Crisma e Eucaristia. Ela se refere à adesão a Jesus Cristo. Esta adesão deve ser feita pela primeira vez, mas refeita, fortalecida e ratificada tantas vezes quantas o cotidiano exigir” (DAp 288).

No momento atual da Ação Evangelizadora de nossa Igreja somos agraciados com o documento de número 107 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)”Iniciação à vida Cristã: Itinerário para formar discípulos missionários”. Este documento já se encontra disponível para a compra, na CNBB. Ela também nos coloca à disposição uma coleção de slides que facilitam a compreensão e a didática de exposição por parte dos assessores de encontros formativos.
Nesse sentido, todo nosso empenho e esforço será dedicado ao estudo desse documento que nos ajudará a sermos verdadeiros discípulos conscientes, atuantes e missionários, verdadeiros proclamadores da “Palavra”. Continuaremos nossa conversa sobre esse tema.

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora da Comissão Arquidiocesana
Bíblico-Catequética de Belo Horizonte