Você está em:

Problema e Mistério: para não confundir

 

 A persistência da memória: obra de Salvador Dali, metáfora para a liquidez do tempo
O modo como usamos as palavras na vida cotidiana é sempre um bom ponto de partida para a reflexão. Palavras não são inocentes. Carregam, pelo contrário, modos de ver e ser no mundo que por estarem, muitas vezes, fora do domínio da consciência não são, por isso, menos influentes. O gesto mais incisivo e a ação mais conseqüente têm início numa palavra, no universo de sentimentos que as palavras disparam ou interrompem. Somos animais simbólicos, para o bem e para o mal, o que torna aconselhável que prestemos atenção nas palavras que nos enredam.
 
Problema e mistério, duas palavras vizinhas, dão margem a uma boa conversa. Num primeiro momento, parecem intercambiáveis, com o problema levando, ultimamente, alguma vantagem sobre o mistério: mistério não é um problema que ainda não solucionamos? E mais: fazer mistério de alguma coisa não é, propositadamente, jogar poeira sobre os nossos olhos, escondendo o que, de fato, é claro e não dá margem a dúvida? E nosso vitorioso debatedor joga a pá de cal: cita Marx sem saber quando diz que a humanidade só se propõe problema que pode resolver. Não tem mistério.
 
Mas talvez isso não seja tudo. Um filósofo francês, já falecido, Gabriel Marcel propôs uma distinção mais do que interessante. Dizia que há uma distinção aguda entre problema e mistério. Problema é o que está diante de nós, fora de nós, e que, por princípio, é suscetível de resolução, já que sabemos o que seria uma solução aceitável. A composição do solo de Netuno? Um pouco mais de tempo e certamente saberemos. Veículos menos poluidores? Já estamos quase lá. Estratégias pedagógicas que otimizem a aprendizagem? Não há porque descrer de uma solução com o tempo. Não importa sua diversidade, os problemas cabem na mesma caixa. São resolúveis, hoje ou amanhã. Ou depois.
 
Matéria temporal que somos, não somos capazes de compreender o tempo. Estamos na existência como quem está numa terra estrangeira
Mistério é outra coisa. O que consideramos mistério não está diante de nós, não pode ser objetivado. Pertencemos ao mistério, sem saber onde está, nesse caso, a fronteira onde começa o nosso território. Matéria temporal que somos, não somos capazes de compreender o tempo. Estamos na existência como quem está numa terra estrangeira, cuja língua, afora uma ou outra palavra, desconhecemos quase inteiramente.
 
Não somos sequer capazes de imaginar o que, no caso do tempo ou da existência, contaria como resolução. Portanto, não estamos aqui diante de problemas.
 
Claro, podemos fazer uma grande confusão, chamando de mistério o que, de fato, é problema, e de problema o que estaria mais em casa no domínio do mistério. Mas não é verdade que conversamos para tornar as coisas, na medida do possível, um pouco mais claras?
 
 
Para refletir:
“Tudo, aliás, é a ponta de um mistério. Inclusive, os fatos. Ou a ausência deles. Duvida? ( Guimarães Rosa)
 
 
Ricardo Fenati
Equipe do Centro Loyola