Você está em:

Por mais escutatórias nas organizações

 

Desde que me encontrei mais profundamente com Rubem Alves, foram várias as vezes que ensaiei escrever sobre o quanto as reflexões do poeta-filósofo-educador poderiam inspirar nosso fazer na comunicação das organizações. Sua partida motivou-me a revirar rascunhos e trazer aqui alguns destes hipertextos possíveis.

A começar por um dos seus textos mais conhecidos: Escutatória. Não lhe parece que este é um dos principais desafios das organizações na contemporaneidade? É preciso superar o que eu chamaria de “falatória”, a preocupação centrada unicamente na emissão de mensagens, sem levar em consideração o interesse dos interlocutores ou, por vezes, sem a coerência necessária entre o que se diz e o que se é, o que se faz, o que se acredita.  

Como organizações, fomos acostumados infinitamente mais a dizer e muito pouco a escutar. E na era em que o poder de fala se tornou unânime e horizontal, ganhou espaço e caracteres infinitos, as organizações ainda estão aprendendo a lidar com o desafio de escutar, especialmente o que não se espera, ou não se deseja.  O tempo das falatórias desmedidas – e por vezes incoerentes, vê surgir a emergência da escutatória, pré-requisito para a comunicação compreendida na perspectiva do diálogo, do despertar de sentidos, da construção de vínculos.

 

É preciso sensibilidade, especialmente para o desafio da escutatória Nossas habilidades comunicacionais, ausentes de sensibilidade, são tolas e sem sentido

Rubem Alves alertava para a verdade que mora no silêncio que existe em volta das palavras. Outro ensinamento fundamental para a nossa área. O que dizem os não-ditos que habitam em torno das mensagens que emitimos? O quanto o silêncio das atitudes são coerentes com as falatórias organizacionais? O que está na agenda do comunicador e do gestor organizacional: a atitude que comunica valores ou o jogo de palavras da falatória que busca impressionar?

 

Por fim, lembro-me dele dizendo que a educação se divide em duas partes: a educação das habilidades e a educação das sensibilidades. Sem a educação das sensibilidades, todas as habilidades são tolas e sem sentido, afirmava. Penso o mesmo da Comunicação. Mais do que nunca, as habilidades comunicacionais não bastam. A técnica pela técnica não produz sentido. É preciso sensibilidade, especialmente para o desafio da escutatória. Nossas habilidades comunicacionais, ausentes de sensibilidade, são também tolas e sem sentido.


Lidiane Amorim

Doutoranda e Mestre em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS)