Você está em:

Pastoral do Surdo anuncia ano jubilar em celebração dos 25 anos de serviços à comunidade

 

A Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belo Horizonte celebra 24 anos de serviços à comunidade no dia 20 de novembro. A celebração marcará, também, o inicio do ano Jubilar, que terá seu ápice em novembro de 2017, quando a Pastoral completa 25 anos de sua fundação. Dentre as atividades do Jubileu, está a formatura de 54  instrutores de Libras (Língua Brasileira de Sinais), curso oferecido pela Pastoral do Surdo, por meio do Vicariato Episcopal para Ação Social e a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que 28 milhões de brasileiros, o equivalente a 14,8% da população, possuem algum problema auditivo. A surdez pode causar graves problemas psicológicos, como alteração do aprendizado e da fala, dificuldade em se relacionar no trabalho e tendência ao isolamento. Instituída em 1992, a Pastoral dos Surdos da Arquidiocese de Belo Horizonte trabalha para diminuir o estigma da deficiência auditiva.

Nos últimosanos, a Pastoral viveu um período de grande crescimento, conforme afirma Cláudia Márcia Soares, que integra a equipe. De acordo com Cláudia, o Vicariato Episcopal para a Ação Social e Política é decisivo para essa expansão, por servir de referência para aqueles que necessitam do serviço e permitir maior integração entre as Pastorais, o que também possibilitou a expansão da Pastoral do Surdo. “Recebemos, por exemplo, pessoas em situação de rua, encaminhadas pela Pastoral de Rua, que querem aprender a Língua Brasileira de Sinais (Libra). Também amparamos familiares de presos, que são surdos, encaminhados pela Pastoral Carcerária”, conta a voluntária.
 
Em Belo Horizonte, a Pastoral do Surdo promove Cursos de Libras e incentiva os surdos a participarem de Missas, de catequese e de encontros com tradutores e intérpretes. O professor Marcelo Dias Santana, 29 anos, durante dois anos participou semanalmente do curso de Libras oferecido pela Pastoral do Surdo. Hoje, é um dos 17 tradutores e intérpretes voluntários da Pastoral do Surdo que contribuem para a celebração de Batizados, Missas, Casamentos e palestras com a presença de pessoas surdas. “Com a nossa ajuda, as pessoas surdas se sentem incluídas na sociedade e têm participação ativa em todos os sacramentos”, diz Marcelo.

A Pastoral do Surdo também oferece cursos de formação de Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística. Há ainda a oferta de cursos de Artesanato.