Você está em:

Pastoral da Aids, compromisso com a vida

A epidemia de Aids é realidade a partir de 1980.  Desde então, pessoas, organizações e governos se empenham em campanhas de prevenção, assim como no apoio aos portadores do vírus HIV e aos doentes.  Entre os organismos que se envolvem de forma decisiva nesse trabalho humanitário está a Pastoral da Aids da Igreja Católica.

No Encontro Nacional de ONGs de Belo Horizonte, em abril de 1999, foi feito o anúncio  oficial da criação da Comissão DST/AIDS da Pastoral da Saúde. Posteriormente, a comissão foi elevada a Pastoral.

 

 A ação terapêutica deve caminhar junto com a educação para o respeito ao próximo  e a mudança de comportamento da comunidade, no sentido de mostrar que todos são vulneráveis.

Na Arquidiocese de Belo Horizonte, a Pastoral da Aids teve a primeira capacitação para agentes pastorais em 2005. Em torno de 400 voluntários foram capacitados. Em 2007, a Pastoral foi oficializada junto ao Vicariato para a Ação Social e Política. Hoje, atende dez mil pessoas por ano. O trabalho é desenvolvido em três dimensões: cuidado, assistência e prevenção.  A formação de agentes para atuarem nas comunidades recebe atenção especial.

Para a Pastoral, atuar pelo bem do próximo, seguindo os ensinamentos do Evangelho, não significa somente contribuir para a estabilização da saúde do corpo. Os agentes aprendem que a ação terapêutica deve caminhar junto com a educação para o respeito ao próximo  e a mudança de comportamento da comunidade, no sentido de mostrar que todos são vulneráveis.

Assim, a atuação da Pastoral da Aids  se desenvolve à luz do Documento de Aparecida, que trata a questão nos seguintes termos: “Consideramos de grande prioridade fomentar uma pastoral com pessoas que vivem com  HIV/Aids, em seu amplo contexto e em seus significados pastorais: que promova o acompanhamento integral, misericordioso e a defesa dos direitos das pessoas infectadas; que implemente a informação, promova a educação e a prevenção com critérios éticos, principalmente entre as novas  gerações, para que desperte a consciência de todos para o controle desta pandemia”.