Você está em:

Pastoral Carcerária leva a esperança do Evangelho aos presídios

 

A pastoral carcerária da Arquidiocese de Belo Horizonte realiza retiro para todos os voluntários, no sábado, dia 16, no Colégio Santa Maria – Unidade Floresta.  O tema, “Misericordiosos como o Pai”, proposto para o Ano Santo Extraordinário da Misericórdia,  será  desenvolvido pelos participantes, com assessoria do diácono Gleivson Felipe. Coordenador da equipe de agentes de pastoral da Penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, o diácono dá assistência espiritual nas unidades e organiza cursos para os agentes nas foranias da Arquidiocese. O próximo curso deve ser realizado em Caeté, com participação de voluntários da equipe de Sabará. No período de 22 a 24 de abril a Pastoral participará da assembleia Regional Leste 2 da CNBB, em Uberlândia , com o tema  Ecumenismo justiça e misericórdia.

 

Internos do presídio de Caeté, na Região Metropolitana de BH,  recebem o Sacramento
da Crisma

Os voluntários da Pastoral se reúnem todos os anos em momentos de reflexão e espiritualidade e com o objetivo de definir diretrizes. Neste ano, segundo o coordenador arquidiocesano, Assis Francisco Ribeiro, a Pastoral pretende realizar encontros de formação permanente e para novos agentes, bem como celebrações do Ano Santo da Misericórdia nos presídios, seguindo as orientações do Papa Francisco.

O trabalho de evangelização da Pastoral Carcerária envolve 20 unidades prisionais situadas em municípios que integram a Arquidiocese, visitadas semanalmente por 280 voluntários, serviço que será ampliado. Os agentes de pastoral iniciarão, em breve, visitas nas três unidades do Complexo Prisional Público Privado de Ribeirão das Neves.

 

Curso de formação de agentes da Pastoral Carcerária

Assis participa da Pastoral desde setembro de 2008, quando fez o curso de formação. Iniciou suas atividades atuando em visitas à unidade prisional de Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Logo passou a coordenar a equipe de voluntários de Pedro Leopoldo e a integrar a coordenação colegiada da Arquidiocese  constituída  de representantes das regiões episcopais, representando a Região Episcopal Nossa Senhora da Conceição. Em dezembro de 2015 assumiu a coordenação arquidiocesana por 2 anos.

Assis Francisco Ribeiro sempre foi um católico atuante mas, mesmo após concluir o curso da Pastoral Carcerária, ficou em dúvida sobre sua real capacidade de levar a Palavra de Deus e a solidariedade aos detentos. “Já na primeira visita venci a insegurança ao perceber o quanto a presença da igreja se faz necessária. Os encarcerados são vistos como escória quando, de fato, são nossos irmãos. Uma parcela da igreja escondida nos porões da sociedade. Hoje as visitas fazem parte e minha vida e quando fico um tempo maior do que o de costume sem o contato com os encarcerados, sinto falta”. O  coordenador da Pastoral lembra que o Papa Francisco chama a atenção para essa realidade, convidando os presos a passarem pela Porta da Misericórdia, no próprio presídio.

Embora seja um trabalho que exija muito, o coordenador da Pastoral diz sentir-se  realizado por estar  nessa missão, servindo de instrumento de Deus lançando a semente de sua Palavra. “É gratificante quando somos surpreendidos na rua por aqueles que ganham a liberdade e nos agradecem pelo trabalhos que a gente faz. Muitas vezes a Pastoral é a família deles, pois  às vezes, o presídio fica longe de suas cidades ou  os familiares ficam esgotados de tanto enfrentar  a rotina das visitas”.  Assim, segundo Assis Ribeiro a Pastoral tem o importante papel de contribuir para a reinserção do preso na sociedade, por levar a eles a esperança de dias melhores, por meio do Evangelho e do testemunho cristão.  Nas cartas, a equipe social recebem agradecimento .