Você está em:

Papa institui dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral

O Papa Francisco instituiu, na quarta-feira, 31, um novo organismo da cúria romana, o dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral (Humanam progressionem su istituzione). O ato foi realizado por meio de Carta Apostólica em forma de Motu Proprio. “A Igreja está chamada, sempre de forma nova e adequada, a promover o desenvolvimento integral do homem à luz do Evangelho. Isto tem lugar mediante o cuidado dos bens incomensuráveis da justiça, paz e da proteção da criação”, escreveu Francisco. O presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson, foi nomeado prefeito do dicastério.

A criação e o estatuto do organismo foram aprovados no dia 17 de agosto, sob proposta do Conselho dos Cardeais. O organismo funcionará a partir de 1º de janeiro de 2017 e englobará em sua estrutura os Conselhos Pontifícios Justiça e Paz, “Cor Unum”, Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, e Pastoral para os Operadores da Saúde, os quais deixarão de existir.

De acordo com a Rádio Vaticano, uma seção do novo dicastério exprime, de forma especial, a solicitude do Papa Francisco pelos refugiados e migrantes. “Com efeito não pode haver um serviço ao desenvolvimento humano integral sem uma particular atenção ao fenômeno migratório. Por isso essa seção ficará temporariamente sobre a direção direta do papa”, informou a Santa Sé na publicação do jornal L’Osservatore Romano.

O dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral terá competências, de modo particular, nas áreas relacionadas com as migrações, com os necessitados, os enfermos e excluídos, os marginalizados e as vítimas dos conflitos armados e desastres naturais, os encarcerados, os desempregados e as vítimas de qualquer forma de escravidão e de tortura.

O organismo é chamado, segundo o seu Estatuto, a aprofundar a Doutrina Social da Igreja, fazendo com que “seja largamente difundida e posta em prática, e fazendo com que as relações sociais, econômicas e políticas sejam cada vez mais permeadas pelo espírito do Evangelho”.

Junto do novo dicastério foram constituídas as comissões para a Ecologia, para a Caridade e para os Operadores da Saúde. O organismo assume também as competências da Santa Sé no que diz respeito à criação e vigilância de associações internacionais de caridade e dos fundos instituídos para o mesmo fim.

Com informações e foto da Rádio Vaticano e do L’Osservatore Romano