Você está em:

[Artigo]Os paparazzi nas celebrações eucarísticas-Dom Edson Oriolo, bispo auxiliar da Arquidiocese de BH

Tive a oportunidade de exercer o ministério sacerdotal em três paróquias cujas igrejas matrizes, ainda que não barrocas, eram antigas e se destacavam por seus traços arquitetônicos e belezas artísticas. Primeiramente, o Santuário de São Francisco de Paula, em Ouro Fino (MG), como vigário paroquial; depois a Basílica do Carmo, em Borda da Mata (MG), como Pároco e Reitor e, finalmente, a Catedral Metropolitana de Pouso Alegre (MG), como Pároco e Cura. Nessas igrejas, com suas belezas artísticas peculiares – reunidas nos altares, sacrários, pinturas, revestimentos, adornos e mobiliário -, tornou-se comum, sobretudo a partir da década de 1990, encontrar fiéis com suas máquinas fotográficas, preocupados em registrar os momentos e os ambientes, produzindo fotos e mais fotos.

A popularização dos equipamentos para o registro de imagens contribuiu para o crescimento dessa prática nos templos, frutos da dedicação e da piedade das comunidades, que unem as gerações na busca do transcendente e da própria santidade. Assim, muitos fiéis se tornaram verdadeiros paparazzi, armados de máquinas digitais, flashes e outros acessórios, à espreita de momentos únicos de beleza divina, presentes nas formas e liturgias ambientadas nas igrejas.

O Papa Bento XVI, em diversos contextos, analisou a relação intrínseca entre teologia e beleza e ensina: “Uma beleza não aberta a Deus reclui o homem nele próprio e é capaz de levá-lo ao desespero ou a um espiritualismo sem estreita relação com Deus […] Os que creem devem mostrar a beleza de sua fé em autênticas cerimonias, sobretudo, em sua liturgia”. Ora, a experiência de Deus passará sempre pelo exercício da contemplação. Por isso mesmo, são edificados belos templos para o culto a Deus e a Igreja busca nortear a sua liturgia pelo critério de “nobre simplicidade”.

Vivemos uma realidade complexa, envolvida numa teia de tecnologias que nos absorve em ritmo acelerado e, muitas vezes, sufoca, modificando nossa cultura, as relações humanas e mesmo os hábitos banais do dia a dia. Evidentemente, a tecnologia oferece oportunidades, avanços e perspectivas. No entanto, somos todos desafiados cotidianamente – em maior ou menor grau – por um mundo congestionado por imagens; flagrados e monitorados a todo o momento, com o auxílio da tecnologia digital. Os cidadãos do Reino Unido são os que mais passam por essa experiência, pois se tornaram os mais vigiados do mundo pelas câmaras de circuito fechado de televisão, segundo reportagem publicada pela revista britânica The New Statesman.

Se por um lado, ao menos em tese, verifica-se a descoberta do valor de armazenar imagens, vídeos e colecionar registros em grande escala, graças à proliferação dos instrumentais tecnológicos, nem sempre essa realidade coincide com um o maior interesse humanístico, cultural e histórico. A sociedade digital é, sobretudo, uma sociedade do descartável, do instantâneo. Fotografar é moda, mas apreciar o “belo”, como que numa vivência transcendental, não se interliga, necessariamente, a essa prática.

Percebo, sem preconceitos, que muitos fiéis, em nossas celebrações, especialmente nos momentos mais representativos como as festas de padroeiros, crismas, ordenações, ficam absortos pela enxurrada de equipamentos que impõem o novo modus vivendi da sociedade digital. Assim, os fiéis passam a se ocupar com algo estranho ao espírito da liturgia, perdendo a oportunidade de vivenciar aquilo que pretendem capturar digitalmente.

A fixação pelas imagens preocupa, ainda, por alimentar o sentimento de autoglorificação, de uma permanente necessidade que se pode resumir expressão popular: “Olha eu!”. Desse modo, as mãos, destinadas a louvar a Deus, estão sempre sobrecarregadas com a parafernália de última geração. Os olhos já não contemplam, ocupados em encontrar enfoques e ângulos. A atenção, essencial para uma participação efetiva, “vai para o espaço”! Não interagimos com o belo nem nos envolvemos com a ação ritual. Em última instância, não nos comprometemos com a vivência do sagrado nem dedicamos atenção às relações com o outro, que é irmão.

Gradativamente, torna-se banal a incidência desse modismo em nossas comunidades. Corremos o risco de nos tornar paparazzi das celebrações eucarísticas, suplantando a nossa identidade eclesial que é a de sermos membros de uma comunidade de fé. Quando participamos nos momentos celebrativos em nossas igrejas, é uma tentação sacarmos logo o celular, máquina fotográfica ou smartphone para capturar momentos que julgamos importantes, esquecendo que o esplendor e a beleza que refulgem no rito litúrgico são sinais da beleza da entrega de Cristo por nós, realizada sacramentalmente, e do imenso e incessante amor de Deus por nós em Nosso Senhor Jesus Cristo, que se atualiza em dimensão kairótica, e não cronológica.

Sob esse aspecto, a realidade digital nos afasta mais do que nos une. Ao fotografarmos em nossas celebrações eucarísticas, nos distraímos, além de prejudicar a concentração de outras pessoas. Na maioria das vezes, querendo valorizar e registrar imagens, acabamos deixando em segundo plano o mistério de Jesus Cristo. O tempo despendido em registrar um momento faz com que deixemos de lado a expressão genuína da beleza divina, a presentificação sacramental de Cristo e a atualização do Mistério Pascal.

Vale esclarecer que nesse caso, quando nos referimos a Mistério, não estamos falando de algo secreto, escondido, de significado ou causa oculta, algo que não se pode explicar. Mistério, aqui, significa o desígnio (projeto, plano) eterno e misericordioso de Deus, agora revelado, realizado em Jesus Cristo, comunicado a todos os povos (cf. Rm 16, 25; Ef 3, 9; Col 1, 26-27; 1Tm 3, 16) e simbolizado através dos ritos litúrgicos. É algo que vai se revelando aos poucos. Transcende a materialidade e a nossa capacidade racional, pois é entendido e acolhido na fé.

Os sacramentos são momentos privilegiados do encontro entre Deus e o ser humano. Através dos sacramentos, participamos do mistério de Cristo, como corpo do Senhor ressuscitado. São sinais eficazes da graça, pois o próprio Cristo os instituiu, os confiou à Igreja e age em cada um deles (cf. CIC, 1131).

A celebração dos sacramentos abrange todas as etapas da existência humana, do nascimento à morte, sendo indispensável para alimentar a vida cristã. Nos sacramentos, o próprio Cristo Jesus nos comunica a sua plena comunhão com o Pai. Toda vida cristã desenvolve em torno dos sacramentos, especialmente o da Eucaristia.

Penso que uma alternativa pastoral para o desafio de se lidar com as tecnologias, considerando que é imprescindível para a Igreja manter-se também “conectada” com a realidade digital, seria o investimento específico na constituição das nossas Pastorais da Comunicação (PASCOM). A partir de um processo educativo, os fiéis poderão compreender que os agentes da PASCOM cumprirão, de forma consciente e oportuna, a missão de registrar e compartilhar nossas celebrações, os momentos fortes de vivência da fé, pautados nas orientações litúrgicas e na hierarquia de prioridades, no contexto de cada celebração.

Finalmente, para que nossas celebrações eucarísticas possam ser exclusivamente o lugar do “mistério de Deus”, manifestado pelos sacramentos, temos que investir para configurar, cada vez mais, as nossas igrejas em autênticos espaços de acolhimento, onde cada fiel tenha condições – em todos os momentos importantes da vida – de se encontrar com Jesus e ser discípulo missionário. Assim, vamos vivenciar, registrar e eternizar o mistério da páscoa do Senhor, e deixar as fotografias para os outros momentos das nossas vidas.

 

 

Dom Edson Oriolo é Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belo Horizonte/MG, Mestre em Filosofia Social, Especialista em Marketing, Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Pessoas, Professor, “Leader and Professional Coach” pela Act Coaching Internacional e membro do Conselho de Conteúdo da Revista Paróquias. Autor do livro “A nova pastoral do dízimo: formação, implantação e missão na Igreja”, publicado pela Catholicus Editora e “Paróquia Renovada: sinal de esperança”, Paulus Editora.