Você está em:

Os 25 sintomas da doença de Alzheimer

 

De todas as pessoas que sofrem de demência, estima-se que 50 a 70% dos indivíduos afetados tenham a doença de Alzheimer. Conheça os 25 sintomas que determinam o aparecimento da doença de Alzheimer e faça o melhor diagnóstico possível para aumentar a qualidade de vida de um doente.

A doença de Alzheimer é um tipo de demência que provoca uma deterioração global, lenta, progressiva e irreversível de diversas funções do conhecimento e revela-se na perda de memória, atenção, concentração, linguagem, pensamento, entre outras. No entanto, um único sintoma não indica necessariamente que uma pessoa sofra de Alzheimer ou de demência. Por exemplo, existem várias causas para a perda de memória e a falta dela não é sinónimo de doença. Contudo, se juntamente com a perda de memória, existirem alterações significativas no comportamento e na capacidade funcional da pessoa, estes podem ser sinais claros do surgimento da doença de Alzheimer.

Dos aspetos principais que constituem a doença de Alzheimer, destacam-se os sintomas seguintes:

     

1.  1.A perda de memória 

A maior parte dos doentes com Alzheimer não consegue lembrar das mais pequenas coisas do dia-a-dia, como por exemplo: o que fizeram no dia anterior, os nomes das pessoas que os rodeiam, o que comeram ao almoço, os animais de estimação que têm, números de telefone e conversas recentes, entre outros. Em todo o caso, a perda de memória pode não ser consistente e o fato de não se lembrar hoje não quer dizer que não o faça amanhã.  É importante lembrar que essa perda de memória é gradual, não ocorre em um intervalo de tempo pequeno. Muitas vezes são necessários meses ou até anos para que essa perda de memória comece a chamar atenção.

 

2. A agitação e o humor alterado

É comum para alguém que sofre de Alzheimer parecer ansioso ou agitado. A agitação resulta geralmente do medo, confusão, pressão ou fadiga que um doente possa sentir. Por outro lado, as mudanças radicais também contribuem para uma enorme agitação e mudança repentina de humor. Independentemente do motivo ou situação, um doente de Alzheimer pode passar de um estado calmo para um estado de raiva sem qualquer motivo aparente.

 

3. A capacidade de julgamento debilitada

Uma pessoa que tem a doença de Alzheimer tem tendência a tomar as decisões inadequadas perante uma determinada situação. Um exemplo do cotidiano está na forma imperfeita de se vestir ou na incapacidade de avaliar por si próprio aquilo que é mais seguro. Por norma, as primeiras mudanças que ocorrem no julgamento de uma pessoa estão relacionadas com a gestão das suas finanças e é quando o dinheiro começa a ser gasto de forma inusitada e incorreta.

 

4. Dificuldade em lidar com as finanças

A dificuldade em lidar com o dinheiro é um obstáculo muito difícil de ser ultrapassado para quem sofre de Alzheimer. A incapacidade de pagar contas, de fazer as compras essenciais e administrar um orçamento.

 

5. Dificuldade em realizar tarefas similares

Uma pessoa que sofre de demência leva mais tempo a concluir as tarefas mais básicas do dia-a-dia que, por hábito, já realizou milhares de vezes. Por exemplo, um cozinheiro experiente pode ter sérias dificuldades em fritar um ovo ou qualquer outro tipo de preparo de fácil realização. Isso também se estende a atividades básicas, como vestir e tomar banho.

 

6. Dificuldade no planeamento e na resolução de problemas

À medida que a demência progride, podem existir maiores dificuldades de concentraçã e comprometimento de habilidades cognitivas que prejudiquem a capacidade de planejar uma ação e, consequentemente, de executá-la. Também existe uma dificuldade de resolver problemas desde os mais complexos até os mais simples. A partir dessas dificuldades, é difícil para a pessoa com Alzheimer, com essa dificuldade instalada, tomar decisões frente a certas perguntas e situações.

 

7. Trocar o lugar das coisas

Um dos sintomas mais frequentes da doença de Alzheimer está relacionado com a troca sistemática do lugar das coisas. Por exemplo, é muito frequente encontrar as chaves de casa no congelador ou o controle da televisão na gaveta das meias, entre outras situações insólitas. Existe uma tendência ao esquecimento, mas também de deixar as coisas nos locais mais incomuns. Devido ao déficit de memória, ao comprometimento de atenção e à falta de percepção do seu estado, as pessoas com Alzheimer não só trocarem os lugares das coisas, mas também acusarem outra pessoa de esconder ou roubar os seus pertences.

 

8. A desorientação no tempo e no espaço

A percepção do tempo e do espaço é um dos problemas mais graves que afeta um doente de Alzheimer. É muito fácil ficar perdido na rua, uma vez que pode não se recordra do local onde vive, ou como voltar para casa; a pessoa pode ficar alheia a um ponto que não tem a noção das datas, estações do ano e/ou passagem do tempo, entre outras situações temporais e espaciais.

 

9. A dificuldade para se comunicar

A capacidade de uma pessoa com Alzheimer se comunicar vai diminuindo com o passar do tempo. Uma pessoa pode ter imensas dificuldades em encontrar a palavra certa, chamar as coisas pelos nomes certos e, diante destas dificuldades, inventar novas palavras, entre outras situações. A dificuldade de comunicação pode levar ao isolamento, por isso é importante ficar atento.

 

10. Vagar sem rumo

Infelizmente, cerca de 60% das pessoas com demência têm uma tendência a vagar sem qualquer tipo de destino. Isso deve-se à inquietação, medo, confusão em relação ao tempo e incapacidade em reconhecer pessoas, familiares, lugares e objetos. Em alguns casos, a pessoa pode sair de casa no meio da noite para satisfazer uma necessidade física, seja um banheiro ou comida, ou até pode querer ir para casa quando já está efetivamente em casa.

 

11. O discurso repetitivo

A repetição frequente de palavras, frases, perguntas ou atividades é uma característica da demência e da doença de Alzheimer. Esse comportamento repetitivo é provocado, por vezes, pela ansiedade, stress ou para alcançar o conforto, segurança ou familiaridade.

 

12. As dificuldades espaciais

As pessoas que sofrem da doença de Alzheimer tendem a ter dificuldades de leitura, em julgar distâncias ou a determinar a cor e/ou contraste de um determinado tipo de material. Em termos de percepção, é comum que uma pessoa em fase avançada da doençase olhe ao espelho e pense que está na companhia de outra pessoa sem se ter percebido que está diante do seu próprio reflexo.

 

13. Realizar atividades sem propósito

Realiza todo o tipo de esforços para a realização de uma atividade sem qualquer tipo de objetivo, como por exemplo abrir e fechar uma gaveta várias vezes, poderá significar que essa pessoa sofre de demência e, consequentemente, de Alzheimer. Apesar de não terem uma finalidade última, esse tipo de comportamentos revela a necessidade que uma pessoa tem em se sentir produtivo ou ocupado.

 

14. A necessidade de se afastar

A doença de Alzheimer pode ser uma doença muito solitária e pode originar uma falta de interesse geral nas mais variadas atividades sociais ou pessoais. É comum que uma pessoa que sofra desta doença deixe de fazer os seus passatempos preferidos, pois não se recorda como os faz, nem sequer sente o mesmo prazer. Nas fases iniciais da doença, pode-se perceber que alguns evitam se envolver em atividades e encontros sociais pelo déficit de memória que os impede de reconhecer as pessoas ou como usar certos objetos.

 

15. A perda da iniciativa e da motivação

A apatia, perda de interesse e de motivação em atividades sociais ou pessoais podem levar uma pessoa à depressão e, consequentemente, ao isolamento. A depressão dificulta muito a tarefa de um doente pois impede-o de articular corretamente os seus sentimentos e faz com que ele não tenha qualquer vontade ou iniciativa própria.

 

16. Esquecer de amigos e familiares

De uma forma geral, as pessoas que têm Alzheimer esquecem o que aprenderam e quem conheceram e isso faz com que não reconheçam os seus amigos e familiares mais próximos em fases avançadas da doença. Num estado avançado e final da doença, as pessoas podem apenas recordar-se dos seus pais e de apenas algumas passagens de suas vidas com eles.

 

17. A perda de habilidades motoras 

A demência afeta as capacidades motoras e interfere com o manuseio de roupas ou todo o tipo de utensílios, como as tesouras ou os garfos. Contudo, a perda das habilidades motoras e do sentido do tato podem estar relacionados com uma doença muito diferente, como a doença de Parkinson. Deve-se observar esses sintomas e comunicá-los imediatamente ao médico para um diagnóstico mais detalhado.

 

18. Dificuldade em se vestir

A forma como um indivíduo se veste diz muito sobre a condição da pessoa. No caso de um doente de Alzheimer é comum ele utilizar a mesma roupa durante vários dias, pois esquece-se que a mesma já foi usada. Por outro lado, as dificuldades em apertar ou desabotoar os botões de uma camisa ou de um casaco são devido à perda das habilidades motoras.

 

19. Desleixo com aparência

Os doentes de Alzheimer têm tendência para serem desleixados com a sua aparência e higiene pessoal, e esquecem-se, na maioria das vezes, de escovar os dentes, cortar as unhas, tomar banho e até utilizar de utilizar o banheiro para a realização das suas necessidades.

 

20. Dificuldade na alimentação

A diminuição do apetite e a perda de interesse e prazer pela alimentação faz com que um doente de Alzheimer se esqueça de realizar as refeições principais ao longo do dia. Existe também a hipótese de um indivíduo perder a capacidade de dizer se um alimento ou bebida está quente ou frio demais para comer ou beber. Por vezes, face ao fato de não se lembrarem de como utilizar os talheres, alguns indivíduos chegam a levar a comida com a mão até a boca. Quanto à alimentação, ainda é possível um aumento do apetite.

Na fase terminal da doença de Alzheimer, um indivíduo pode revelar um comportamento inadequado e agir de forma atípica em várias situações distintas. Por exemplo, é comum esquecerem-se que são casados e começam a ter comportamentos sexuais inapropriados ou podem tirar a roupa em horários impróprios e em locais inapropriados.

 

22. Delírio

Os delírios e a paranóia são comuns nos doentes de Alzheimer, e alguns chegam a ter a forte convicção ou ilusão de que alguém o está perseguindo. A perda da memória e a confusão são os responsáveis principais pela má interpretação do que um doente vê e ouve.

 

23. Agressão física e verbal

A demência vai piorando com o tempo e com ela vão-se alterando os comportamentos. É normal que alguém se torne física ou verbalmente mais agressivo. As explosões verbais, gritos, ameaças e empurrões podem ser uma constante e podem surgir do nada. No entanto, é de realçar que a agressão verbal ou física pode estar relacionada com algum desconforto físico, incapacidade de comunicação ou frustração perante uma determinada situação.

 

24. Dificuldade de dormir

Alguns sintomas como a agitação, ansiedade, desorientação e confusão tendem a piorar à medida que o dia passa e podem continuar durante a noite, fazendo com que existam muitas dificuldades em dormir. Essa perturbação do sono pode estar relacionada com as alterações do relógio biológico de uma pessoa e é uma razão comum que leva muitas vezes os familiares a colocar os seus entes queridos em um lar de idosos.

 

25. Imitação ou comportamento infantilizado

Os especialistas afirmam que quem sofre da doença de Alzheimer fica completamente dependente de um determinado indivíduo e imita-o de forma infantil, chegando até a segui-lo como uma espécie de “sombra”. Este comportamento surge, muitas vezes, pelo receio em encarar a forma confusa como o mundo é e pela necessidade de ter por perto uma pessoa em quem se confia totalmente.

 

Fonte:  www.cuidamos.com