Você está em:

O Coaching na secretaria paroquial

Melhore seu potencial humano por meio desse sistema de trabalho

O Coaching é uma metodologia destinada a ajudar as pessoas a aprenderem, a se desenvolverem e a darem o melhor de si. Na contemporaneidade, temos que entender as pessoas com as quais nos relacionamos. A filosofia do coaching, por meio de perguntas abertas e provocativas, ajuda a atingir o coração e a mente das pessoas, focando a solução e não os problemas para que elas possam se sentir como imagem e semelhança de Deus.

Assim sendo, para que uma paróquia, de modo especial o escritório paroquial, possa se desenvolver e prosperar com o objetivo de estar em estado permanente de missão, vivenciar a dinâmica do encontro entre as pessoas e transcender-se no encontro com Deus, faz-se necessário um aprendizado sobre coaching.

Método aplicado

Quando falamos neste método, brota espontânea a referência imediata a Sócrates, que tinha como proposito central em sua filosofia saber dar respostas a capacidade e ao potencial do ser humano em si próprio. Ele desenvolveu o dialogo crítico que se divide em dois momentos:

1. Ironia: leva o interlocutor a confessar suas próprias  contradições e ignorância;

2. Maiêutica: ajuda o interlocutor a conceber suas próprias ideias. No entanto, o método socrático era composto de perguntas, palavras que promovessem a reflexão de seus discípulos, sempre levando em consideração os conhecimentos prévios, que eram contestados e discutidos exaustivamente. A grande preocupação de Sócrates era levar seus discípulos a conceberem uma nova ideia, uma nova opinião sobre o assunto, através do diálogo.

Esta preocupação de dialogar fazendo perguntas vem se tornando uma realidade muito presente na vida das pessoas na contemporaneidade. Nos dias atuais preocupamos em fazer perguntas que levem a pessoa a crescente consciência de construir a autoconfiança; buscamos compreender melhor o pensamento e os estilos de comunicação e reconhecemos como a linguagem exerce influência sobre os outros. Podemos identificar essa realidade como integrante da metodologia coaching.

Para entender, aprender e vivenciar essa novidade que vem invadindo o mundo – a arte de “ajudar pessoas a examinar o que eles fazem sob a luz de suas intenções, auxiliando a executar ações  orientadas a suas metas, a uma maior felicidade, e para conseguirem se expressar melhor”, temos que garimpar a filosofia coaching.

0 que é um coaching?

Por coaching compreende-se uma sistemática de trabalho, em que uma pessoa especializada e com técnicas corretas, denominadas coach, irá cooperar para que a outra, o coachee, atinja seus objetivos e metas, por meio da exploração de competências, mudança de hábitos e comportamentos, novas atitudes, planejamento e ação através de perguntas e respostas. O coach tem as perguntas, o coachee as respostas.

Duas definições superinteressantes de coaching:
a) “O coaching tem por finalidade liberar o potencial de uma pessoa com o intuito de maximizar seu desempenho” (J. Whitmore);

b) “O coaching é uma relação deparceria que revela e liberta o potencial das pessoas de forma a maximizar o seu desempenho e ajudá-las a aprender, ao contrario de as ensinar” (Timothy Gallwey).

No entanto, coaching significa um conjunto de técnicas, metodologias e ferramentas com o proposito de melhorar significativamente os aspectos da vida pessoal e profissional das pessoas, ajudando no autoconhecimento, planejamento pessoal, potencialização de recursos, eliminação e limitação de bloqueios, busca de benefícios.

 

Para ajudar a entender o coaching, comento a historia do filme a que assisti recentemente “A Prova de Fogo”. E um filme norte-americano, de 2008, dirigido por Alex Kendrick que faz várias referências ao processo de coaching. Caleb é o coachee; seu pai e outro bombeiro fazem os papéis de seus coaches informais, que fazem perguntas que o ajudam a compreender o que é importante e o que ele realmente quer para sua vida. Percebe-se que os coaches não dizem o que Caleb deve fazer, pois nesse caso, seria mentoring ou aconselhamento. Fazem perguntas que o ajudam a compreender o que é importante e o que ele realmente quer para sua vida. Este filme deixa bem claro que o coach é um perguntador, guia, consultor, professor, mentor, escuta o que a pessoa não disse, ou melhor, a essência.

Como aplicar a técnica de coaching na secretaria
Depois de ter apresentado alguns pensamentos sobre a definição de coaching, penso que podemos fazer uma releitura desta metodologia para ajudar os secretários  paroquiais nesta “mudança de época” pela qual  estão passando nossas comunidades eclesiais com enormes desafios pelo desrespeito ao outro que é a imagem e semelhança de Deus.

Os(as) secretários(as) paroquiais, além de serem verdadeiros vocacionados e discípulos missionários, devem  exercer as competências de liderança como coach para melhor vivenciar este desafio do Papa Francisco de uma “Igreja em saída”. Abrir as portas das igrejas para acolher, com coração e mente, as pessoas que procuram as secretarias paroquiais por infinidades de motivos, preocupações, desejos e necessidades.

Os secretários devem com perguntas poderosas levar os paroquianos à reflexão e ao desenvolvimento das capacidades de assumir sua missão de profeta, sacerdote e pastor na busca de suas necessidades, preocupações, soluções e desejos.

Os(as) secretários(as) nas comunidades eclesiais, dentre suas competências, devem “acolher o outro” focando nas soluções das necessidades, realizando excelente rapport, e exercitando grande habilidade de feedback, pois os mesmos são constantes e necessários no processo de acolher bem os que procuram  as secretárias paroquiais.

1.Ser comunicativo;
2.Saber escutar;
3.Dar e receber feedback;
4.Criar *rapport;
5.Ser acessível;
6.Ter flexibilidade;
7. Ser empático;
8.Ter autenticidade;
9. Ser automotivado;
10. Conhecer bem a comunidade, a paróquia, a diocese e a Igreja em geral (magistério ordinário e extraordinário);
11. Escutar com o coração e a mente os que procuram o escritório paroquial para entender as palavras, intenções e sentimento do outro, sem julgar;
12. Colocar-se no lugar do outro para escutar;
13. Escutar as pessoas, saber quem elas são, em que meio cultural vivem ou viveram;
14. Perceber as expectativas das pessoas;
15.Despertar o interesse de conhecerem  a si mesmas e a missão da Igreja.

Finalmente, nossos secretários (vocacionados, discípulos missionários), vivenciando o coaching como ferramenta para acolher bem as pessoas, em sinergia, irão ajudar o fiel a conhecer seu universo, seus costumes, pensamentos, gestos e atitudes; a descobrir reais necessidades, a fazer indagações e procurar verdades, romper crenças limitantes, quebrar paradigmas que o impeçam de crescer, promover autonomia e ação e levar o paroquiano a viver melhor o seu batismo motivado e realizado.

*E uma palavra de origem francesa que significa “reIação”. Representa gerar empatia, ou seja, uma relação de confiança e harmonia dentro de um processo de comunicação no qual a pessoa fica mais aberta e receptiva para interagir, trocar e receber informações.


Dom Edson Oriolo

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belo Horizonte/MG, Mestre em Filosofia Social, Especialista em Marketing, Pós-Graduado em Gestão Estratégicas de Pessoas, Professor, “Leader and Professional Coach” pela Act Coaching Internacional