Você está em:

O cenário do Dízimo Paroquial -artigo de Dom Edson Oriolo

 

Nos últimos anos, as paróquias têm-se servido, cada vez mais, de metodologias profissionais de marketing para a superação de dificuldades pastorais e administrativas.

Para obter um bom resultado da qualidade e quantidade da Pastoral do Dízimo, faz-se necessário conhecer seu cenário. Conhecendo-o, pode-se reestruturar sua ação com uma metodologia de alta eficácia que gera benefícios humanos e financeiros para a comunidade paroquial.

O termo cenário vem do latim coenatoriu, local onde a família praticava a ceia, momento considerado de grande importância na Antiguidade. Com o tempo, o cenário passou a designar o conjunto de diversos materiais para criar a realidade ou a atmosfera para a ação. Assim sendo, uma Pastoral do Dízimo que não contenha uma boa análise de cenários será fatalmente passível de muitos questionamentos quanto à sua viabilidade.

É impossível analisar um cenário do dízimo paroquial partindo do zero. É uma tarefa demasiadamente árdua, senão, impossível. Para começar, pense macro. Tal tarefa exige muita oração, criatividade, visibilidade e objetividade. É preciso ver o cenário do dízimo paroquial com o olhar de Deus, um olhar que tem como objetivo a salvação. Assim, encontraremos muitos sinais da ação de Deus e poderemos entender melhor os fiéis leigos com suas potencialidades, qualidades e possibilidades, participando eficazmente na ministerialidade eclesial.

O cenário do dízimo paroquial é cheio de perplexidade. Ninguém conhece ao certo como ele é. Contudo, fazendo-se uma análise qualitativa e quantitativa do dízimo, poderemos conhecer melhor e cada vez mais sua dinâmica.

    Análise qualitativa do dízimo

Quanto à análise qualitativa do dízimo, é importante:

– Diagnosticar seus padrões de excelência;

– Analisar se os agentes e a comunidade paroquial estão fazendo o que é correto e de forma correta;

– Avaliar o fluxo de formação, de informação, de conscientização e de materiais;

– Verificar o grau de participação das pessoas envolvidas, o nível de motivação, de entusiasmo e o grau de cooperação entre os agentes.

Em relação à qualidade, pode-se levantar:

– Alguns pontos fortes como: o bom relacionamento dos agentes com os paroquianos; o conhecimento geográfico da paróquia; a participação dos paroquianos; a dedicação e presteza nos trabalhos pastorais; a honestidade e a disposição para treinamento e desenvolvimento.

– Alguns pontos fracos: baixa conscientização dizimal e a não aplicação de ferramentas gerenciais e de recursos humanos.

Análise quantitativa do dízimo

Na analise quantitativa, trabalha-se com números. Os números facilitam a análise real de como está o cenário do dízimo paroquial.

É importante conhecer:

    A população da paróquia;
    O número de católicos;
    O número de católicos que participam das missas dominicais;
    O número de católicos que exercem algum ministério na comunidade paroquial;
    O número de dizimistas inscritos;
    O número de dizimistas que contribuem no mês;
    Os dizimistas efetivos (que contribuem assiduamente);
    Os dizimistas desistentes (motivos);
    Os dizimistas que contribuem esporadicamente (motivos);
    O valor total do dízimo (média);
    A média de contribuição por dizimista, etc.

Assim sendo, com estas duas análises da experiência dizimal paroquial, qualitativa e quantitativa, é possível elaborar um roteiro de ações a fim de que a Pastoral do Dízimo seja atuante, dinâmica, eficiente e eficaz. A partir destas análises, a Pastoral do Dízimo poderá reestruturar bem sua ação, fazendo com que a comunidade paroquial tenha meios e recursos para ser sinal e instrumento do Reino, investindo nos agentes e nas mediações evangelizadoras.