Você está em:

Nota de solidariedade pelo falecimento do Cardeal Dom Paulo Arns, arcebispo emérito de São Paulo

O arcebispo dom Walmor, os bispos auxiliares, sacerdotes e religiosos da Arquidiocese de Belo Horizonte se solidarizam com os familiares e amigos do Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo. A solidariedade de todo o povo de Deus na Arquidiocese de Belo Horizonte se estende ao arcebispo dom Odilo Scherer e à Arquidiocese de São Paulo. Que Nossa Senhora da Piedade envolva dom Paulo em seu manto protetor e o conduza ao Reino de Deus.

Dom Paulo estava internado com uma broncopneumonia no Hospital Santa Catarina, na capital paulista, e faleceu no final da manhã desta quarta-feira, dia 14 de dezembro.

O Cardeal foi um exemplo de testemunho cristão e dedicação à promoção da dignidade humana: pastor zeloso do povo de Deus, em especial dos pequenos, pobres e aflitos. 

 

“O cardeal dom Paulo Evaristo Arns dedicou sua vida ao fiel testemunho da fé cristã, com gestos concretos de amparo aos mais pobres, uma opção preferencial pelos excluídos”, destaca o arcebispo dom Walmor, e acrescenta:  “Sempre ao lado dos pequeninos, dom Paulo mostrou a coragem dos autênticos discípulos de Jesus, permanentemente a serviço do povo. Assim, testemunhou a fé não somente a partir de palavras, mas com ações dedicadas à promoção e à proteção da vida. O Evangelho nos ensina que a fé cristã deve se traduzir em atos. Assim, podemos dizer que dom Paulo, por toda a sua vida dedicada ao serviço dos mais pobres, foi um gigante na fé. A sua trajetória nos deixa um legado: o compromisso de firmarmos sempre os passos na fidelidade do que nos pede Cristo – a vivência da fraternidade e do amoroso serviço aos pequeninos da sociedade”.

Frade franciscano, nascido em Forquilhinha (SC), em 1921, dom Paulo Evaristo Arns sempre se dedicou às causas humanitárias. Em 1970, tornou-se arcebispo metropolitano de São Paulo, nomeado pelo Papa Paulo VI. Três anos depois, tornou-se cardeal. Em seu ministério, buscou sempre enfrentar as mazelas sociais e políticas do País. Em 1998, tornou-se arcebispo emérito da capital paulista.