Você está em:
Coloque-se numa posição confortável. Procure ou imagine um lugar bem tranqüilo. Mantenha os olhos suavemente fechados. Respire lenta e profundamente algumas vezes. Relaxe todo o seu corpo, da cabeça aos pés. Procure concentrar sua atenção na respiração. Para isso, usando os polegares para bloquear os ouvidos, ouça por alguns instantes o ruído da sua respiração. Lenta e suavemente baixe suas mãos ao longo do corpo.
 
Escute os sons ao seu redor. Todos eles: fracos e fortes, próximos e distantes. Escute agora todos estes sons englobados formando uma vasta sinfonia. Para vós, Senhor, até o silêncio é um louvor.
 
Agora, entre em seu quarto, isto é, em seu coração. Feche a porta, deixe todas as suas preocupações lá fora. Procure escutar seu próprio coração. Você já parou alguma vez para ouvir que som ele emite? É um som alegre, triste, cheio de esperança, de amor? Em seu coração também há silêncio. Quanto mais aguda for a escuta, mais profundo será seu silêncio. E quanto mais silêncio houver em você, mais perfeita será sua escuta
 
Aí no seu quarto, dentro do seu coração, a portas fechadas, procure conversar com Deus, seu Pai, seu Criador e Senhor. Pergunte, dialogue, questione
 
Ao iniciar a oração, dê um espaço para escutar o barulho que existe dentro e fora de você. Descubra os sinais de vida que ainda existem em você sufocados pelo barulho. A vida não se restaura. Renova-se, realimenta-se, rejuvenesce-se a partir das raízes. Senhor, dá-me a graça de fazer silêncio para escutar a tua voz.
 
“Quando fores orar, entre no teu quarto, feche a porta, e ora a teu Pai em segredo” (Mt 6.6). O ser humano se preocupa com a aparência, com o exterior e Deus olha o nosso coração. O que mais nos ajuda a aproximar de Deus, das pessoas, de nós mesmos e da realidade são estes momentos de parada e de escuta que fazemos no interior de nosso coração, de nosso quarto.
 
Aí no seu quarto, dentro do seu coração, a portas fechadas, procure conversar com Deus, seu Pai, seu Criador e Senhor. Pergunte, dialogue, questione… Expresse o que você sente: “Não sou uma edição melhor que outros seres humanos”. Só resta dizer: “Senhor, eu sou um pecador, uma pecadora; tende compaixão de mim”.
Aproveite e use o olhar de Jesus para descobrir que coisas Ele vê em você, quando lhe diz, mesmo apesar dos seus pecados, das suas misérias: “Você é precioso para meu coração”.
 
Com esse mesmo olhar de Jesus, olhe também para as pessoas que você não gosta, que você rejeita, que você não perdoa, que você não ama, que você não aceita, que lhe fazem sombra, de quem você julga. Olhe para quem você tece comentários negativos, destrutivos, em quem você coloca rótulos e que depois é difícil de serem tirados.
 
Coloque-se diante do Senhor como alguém carente que precisa muito deste olhar misericordioso de Cristo para levar você à compaixão, à tolerância, para salvar o fariseu que existe em você. Os fariseus criticavam tudo. Deixe-se curar, deixe-se tocar por Jesus. Onde nós caímos, onde nos deparamos com nossas fraquezas pessoais é que nos tornamos abertos para Deus, para que Ele possa atuar, para que ele possa nos fazer pessoas livres.
 
Louve o Senhor por este momento passado no interior do seu quarto, em sua companhia, ouvindo e olhando sua própria vida com os olhos de Jesus 
Deus nos educa também através dos nossos fracassos, dos nossos ‘entulhos’, como diz o profeta Jeremias (Jr 2,19): “Teu entulho,  seja teu pedagogo”. Antes de sair do seu quarto veja quais os entulhos você quer entregar ao Senhor para que você seja mais livre, para que sua vida  tenha mais qualidade. Mas Deus haverá de conduzir você pelo caminho, para sua glória, apesar de todas as dificuldades e de todo o ‘entulho’ ”.
 
“Não te atemorizes, não tenhas medo, porque o Senhor está contigo em qualquer parte para onde fores” (JS 1, 9). Procurando “saborear internamente”, recorde aquela palavra, aquela frase, aquela iluminação que mais o tocou, que mais mexeu com você durante a oração e que você quer levar para a sua vida. Agradeça e louve o Senhor por este momento passado no interior do seu quarto, em sua companhia, ouvindo e olhando com os olhos de Jesus sua própria vida, suas atitudes, as outras pessoas, a realidade… No íntimo  do seu coração reze bem devagar, como que saboreando a oração dos filhos, a oração dos irmãos: o Pai-Nosso …
 
Concede-nos, Senhor, o silêncio que nos liberta e abre-nos novos espaços, não o silêncio  do medo causado pelos outros e pelo mundo, mas aquele que nos torna próximos de todo ser humano e da criação; aquele em que a matéria nutre-se com as energias do ressuscitado na expectativa de uma vida nova em tua luz. Amém.
 
Nossa oração está terminando. Respire bem devagar algumas vezes, mexa os braços, as mãos, pernas, pés, sentindo-se leve e feliz. Abra seus olhos. Amanhã o dia será novo e diferente.
 
Irmã Teresa Cristina Potrick
Congregação das Irmãs de São José Chambéry