Você está em:

Momento especial: envio missionário de dom João Justino e celebração dos 19 anos de ordenação episcopal de dom Walmor

Muita alegria e gratidão marcaram o momento especial que celebrou o envio missionário de dom João Justino para a Arquidiocese de Montes Claros e os 19 anos de ordenação episcopal do arcebispo dom Walmor. Centenas de fiéis se reuniram na noite desta quarta-feira, dia 10 de maio, no Santuário Arquidiocesano São Judas Tadeu durante a Missa, que foi presidida pelo arcebispo dom Walmor e concelebrada por dom João Justino, dom Joaquim Mol, dom Edson Oriolo, dom Otacílio Lacerda, dom Geovane Luís, dom Geraldo Gusmão e o reitor do Santuário, padre Aureo Nogueira.

Durante a homilia, dom Walmor falou sobre a missão dos bispos, destacando que é uma alegria ter a oportunidade de servir: “o bispo é chamado a ser reconhecido não por suas roupas ou por sua posição, mas por proclamar a palavra com alegria, ajudando as pessoas para que elas possam sempre encontrar o encantamento pelo Pai. Eu considero um grande privilégio e me sinto muito feliz por ser o primeiro servidor de nossa amada Arquidiocese de Belo Horizonte e agradeço a dom João Justino pelos cinco anos de ministério em Belo Horizonte, um bonito caminho construído com dialogo e partilha”.

Ao final da celebração, crianças do Colégio Santa Maria, representando toda a Arquidiocese de Belo Horizonte, homenagearam dom Walmor cantando a música do Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra, que foi composta pelo Arcebispo. As crianças também entregaram um presente especial: um livro com desenhos feitos por elas em homenagem a dom Walmor. Também sacerdotes, leigos, representantes de pastorais e movimentos da Arquidiocese de Belo Horizonte homenagearam dom Walmor. O bispo auxiliar dom Joaquim Mol destacou que dom Walmor, como primeiro servidor da Arquidiocese, atua em muitas frentes: além do serviço pastoral, sempre próximo às comunidades de fé, ele é responsável por muitas instituições que oferecem serviços de saúde, educação, comunicação e, principalmente, de cuidado com aqueles que mais precisam.

Envio missionário de dom João Justino

Com muita emoção, padres e leigos também homenagearam dom João Justino. Após cinco anos de trabalho como bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, dom João foi nomeado pelo Papa Francisco arcebispo coadjutor da Arquidiocese de Montes Claros. “Tive aqui em Belo Horizonte, com nosso pastor dom Walmor, o aprendizado de como ser um bispo. A Arquidiocese, com toda a sua diversidade, é uma grande escola. Agradeço a todos que me auxiliaram durante estes anos de trabalho” disse dom João, que leu uma carta especial de agradecimento (leia abaixo o texto completo). Dom Walmor lembrou que dom João Justino, que é de Minas, agora irá também aprender a ser Gerais, conhecendo as muitas realidades mineiras.

Jovens da Arquidiocese de Belo Horizonte homenagearam dom João, que trabalhou com bispo referencial para juventude, entregando uma cruz da Jornada Mundial da Juventude. A Região Episcopal Nossa Senhora da Piedade, da qual dom João foi bispo referencial durante estes cinco anos, convidou o grupo folclórico Sarandeiros para apresentar uma importante tradição folclórica de Montes Claros, os grupos de catopês, que tradicionalmente se apresentam no mês de agosto e homenageiam Nossa Senhora.

A Missa que marca o início do Ministério Episcopal de dom João Justino em Montes Claros será neste sábado, dia 13 de maio, às 9h, na Catedral Nossa Senhora Aparecida.

Palavras de agradecimento de dom João Justino 

Nestas últimas semanas de ministério na Arquidiocese de Belo Horizonte tenho experimentado uma profunda gratidão no coração. E é disso que quero falar a todos vocês que vieram para esta celebração de envio.

Gratidão, antes de tudo, ao Senhor Deus que me chamou à vida, à fé cristã e ao ministério ordenado.

Neste ano em que eu completo 25 anos de ordenação presbiteral, gratidão muito terna a Dom Walmor que tem uma participação especial em minha vida. Foi quem primeiro apontou para mim a vocação sacerdotal quando, em 1980, realizou em minha paróquia de origem uma missão vocacional. De lá para cá foi um caminho sempre partilhado. O então Pe. Walmor foi meu formador, professor e reitor. Trabalhamos juntos em duas paróquias na Arquidiocese de Juiz de Fora. Quando retornei de meu doutorado em 2004, fui por ele convidado para trabalhar como assessor da Comissão de Doutrina na CNBB. Depois, como bispo auxiliar de Belo Horizonte, Dom Walmor me concedeu grandes oportunidades de aprendizado. Isso porque esta amada Igreja de Belo Horizonte é de fato uma casa de irmãos, uma escola de servidores, um jardim de dons e carismas. Com Dom Walmor e com os bispos auxiliares – Dom Joaquim Mol, Dom Edson Oriolo, Dom Wilson Angotti e Dom Luis Gonzaga, estes dois últimos já em outras missões, estava inscrito nesta Igreja para crescer na fé, na inteligência da fé e na práxis da fé. Minha gratidão aos bispos auxiliares, meus irmãos e votos de fecundo ministério aos que estão chegando: Dom Otacílio, Dom Geovane e Monsenhor Vicente.

Gratidão, também, aos meus irmãos padres. Citando os nomes do Pe. Marcilon e Pe. Aureo, com os quais trabalhei tão proximamente nos cinco anos que aqui estive, quero agradecer a eles e a todos os outros a amizade fraterna gerada enquanto trabalhávamos juntos no anúncio da Palavra de Deus. Sim, tudo por causa da Palavra, tudo por causa da adesão a Jesus Cristo e do serviço ao povo de Deus. Perdoem-me meus descuidos.

Gratidão também aos diáconos permanentes. Tenho sempre a esperança de que vocês sejam para a Igreja uma indicação de novos rumos do ministério ordenado. Com vocês a Igreja precisa valorizar mais concretamente a experiência matrimonial, conjugal e familiar. E vocês, pela chamada dupla sacramentalidade, poderão nos ajudar a ver as famílias com olhar menos idealizado e, portanto, mais real.

Às comunidades e paróquias. Como foi bom visitar as comunidades! Celebrar com vocês, irmãos e irmãs. Quisera eu ter tido mais tempo para estar mais presente junto de vocês. Levo na memória cada um de nossos encontros. Aqui minha gratidão aos leigos e leigas, grande maioria na Igreja. A razão maior de nosso ministério ordenado é servir vocês.

Gratidão aos incontáveis colaboradores, servidores e funcionários da Arquidiocese de Belo Horizonte: da Mitra Arquidiocesana, dos Vicariatos Episcopais, do Tribunal Eclesiástico, da Chancelaria, das Regiões Episcopais – em especial nossa inesquecível Rensp – do Memorial, da PUC Minas, do Colégio Santa Maria e das Escolas Católicas agregadas na CAEC, das instituições afiliadas. A secretaria geral da Arquidiocese e a Assessoria de Comunicação, trabalhos ininterruptos para o êxito de nossa missão de bispos.

Gratidão aos consagrados e consagradas, religiosos e religiosas, formandos, seminaristas, pessoal das novas comunidades, dos movimentos e associações, CAMENC, do SAVC, as juventudes e os membros do SAJ e também do SAV. Em cada encontro com vocês sempre ganhei pela escuta e pela convivência.

Gratidão aos colaboradores da Rede Catedral de Comunicação Católica que me possibilitaram chegar a milhares de ouvintes com o programa Lâmpada para meus passos por meio da Radio América e com o programa Entoai Salmos, produzido pela Paróquia Nossa Senhora Rainha. Este programa, exibido na TV Horizonte e TV Canção Nova, tem chegado até os rincões desse enorme país. É a Palavra de Deus em todo lugar.

Gratidão à minha família, aqui presente, aos amigos que vieram de Juiz de Fora para este momento, às queridas Irmãs Pequenas Missionárias de Maria Imaculada – Ir. Lucineide, Ir. Rute e Ir. Ângela – que trabalham para que a casa dos bispos seja lugar de acolhida e de serviço. Também agradeço a presença do Pe. Danilo Pinto e outros representantes do Setor universidades da CNBB, da Comissão para a Cultura e Educação que acompanho. Registro, ainda, minha gratidão ao SACEJ, padres formadores e seminaristas.

Ao finalizar, quero dizer-lhes que sigo para Montes Claros com a mesma disposição que vim para BH. A disposição de mergulhar na missão, indo onde for preciso, fazendo o que o discernimento indica ser preciso fazer, evitando fugir das situações mais difíceis que a vida nos apresenta. Faço isso pelo Reino e na graça de Deus. Rezem por mim.
Agradeço a você que aqui veio para se juntar a Dom Walmor na celebração de seus 19 anos de vida episcopal e a mim neste momento de envio missionário. Obrigado. Sua presença é um gesto de amizade e de bem-querer. Eu agradeço pedindo muitas bênçãos de Deus sobre todos vocês.

+ João Justino de Medeiros Silva
10 de maio de 2017