Você está em:

Jesus nos mostra como viver no reino de Deus

Apresentamos, nesta edição, um roteiro de encontro não só para catequistas, mas para todo cristão que deseja se situar diante do compromisso que todo batizado tem com a evangelização. A proposta é dar prosseguimento à reflexão sobre a catequese como processo de interação “fé e vida”, por meio do método ver- julgar/iluminar-agir-rever e celebrar.

Partindo da vida
Estamos vivendo um grande momento na nossa Igreja. Momento de pensarmos no processo da nova evangelização, ou seja, como evangelizar hoje? A importância de continuar com a reflexão sobre a catequese como processo de interação “fé e vida” permanece. A mensagem central da evangelização recebida de Jesus Cristo fortalece essa interação entre a experiência de vida e a formulação da fé.

Para bem viver esta relação Jesus nos convida a entrar no Reino de Deus. Mas onde este Reino se encontra? O Reino de Deus não é um território, mas um reinado de Deus. Onde se faz a vontade de Deus, está o Reino de Deus.
 

O Reino de
Deus não é um território, mas um reinado de Deus.
Onde se faz a vontade de Deus, lá está o seu
Reino .

Vamos refletir sobre esse reinado e explicitar: o que está acontecendo em nossa casa, na nossa escola, no trabalho, no nosso bairro, em nossa comunidade que nos impede de ver o Reino de Deus acontecer? E o que está acontecendo para que o Reino de Deus se torne visível?
 

Deus enviou seu filho Jesus com a missão de restabelecer o seu Reino na Terra. Portanto, quando reconhecemos Jesus como aquele que caminha conosco e decidimos viver a vida de obediência que Ele mesmo viveu, entramos no espaço do Reinado de Deus.

Iluminar com a luz da fé
Jesus nos ensina o caminho. O Reino de Deus foi inaugurado na Terra quando Ele enviou seu Filho Unigênito a este mundo e o estabeleceu entre os homens. Sabemos que este Reino oferece muitas alegrias, mas também há exigências para aqueles que querem entrar e permanecer nele. Para auxiliar a compreensão dessa realidade, sugiro a leitura do texto Lc 6, 20–49 e convido você  a verbalizar  o que descobriu nesta leitura.

Essa passagem do Evangelho nos ajuda a realizar as mudanças em nossa vida, ao percebermos como devemos agir junto aos nossos irmãos na fé, e assumir nossos compromissos cristãos.
 

O versículo 6,20 diz: “Erguendo então os olhos para os seus discípulos, dizia: bem aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus”. “Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos Céus” (MT 5.3). Jesus está se referindo à pobreza de espírito, que em outras palavras tem a ver com humildade, simplicidade, modéstia.

Também o pobre da parábola do Rico e o Lázaro (Lc 16, 19-31). O Evangelho deixa claro que esse pobre praticou a obediência aos ensinamentos de Moisés e dos profetas, ouvindo-os.  (Vamos agora fazer essa leitura e refletir).
 

Muitas são as exigências para entrar no Reino e a
realidade atual ainda dificulta
o caminho.
Mas, na certeza
do amor de Deus, o caminho se faz.

Muitos são os ensinamentos de Jesus. Entre eles, o de que o Reino vai se constituindo com o caminhar da história de cada um: Ele diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres. (…) enviou-me para restituir a liberdade aos oprimidos” (Lc 4,8); “Os cegos recuperam a vista, os coxos andam, os leprosos são purificados e os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados. E bem aventurado aquele que não ficar escandalizado por causa de mim!” (Mt 11, 5-6).

Estas passagens nos levam a perceber o que Jesus estava querendo nos dizer: Sem a humildade, a simplicidade, sem a confiança no amor de Deus – assim como uma criança que confia no amor do pai – não estaremos aptos para entrar no Reino dos Céus. Muitas são as exigências para entrar no Reino e a realidade atual ainda dificulta o caminho. Mas, na certeza do amor de Deus, o caminho se faz.

Agir
Temos a coragem de viver as exigências do Reino? Quais são as exigências que nos custam mais? Por quê? Vamos refletir nestes dias sobre as dificuldades que encontramos. Como podemos reagir a elas?

Celebrar
A partir de tudo o que foi vivenciado, vamos escrever uma oração. Quem quiser pode dizer em voz alta a sua prece. Para o encerramento desse encontro seria oportuno que  todos entoassem um canto que fale sobre o Reino de Deus. (Sugestão: Buscai primeiro o Reino de Deus).
 

  Neuza Silveira de Souza
 Coordenadora da Comissão
Arquidiocesana de Catequese de BH