Você está em:

“Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15)

Quem prega a palavra se faz instrumento da palavra de Deus

Somos todos convidados a evangelizar, a partir de Jesus Cristo, na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia. Esses dizeres, nós assim os encontramos nas primeiras páginas das Diretrizes da ação evangelizadora da Igreja no Brasil, que nos convida a trabalhar no anúncio e na vivência da Palavra nestes próximos anos.  Um convite que vem sendo realizado para que sejam transformadas as urgências que brotam da missionariedade do Documento de Aparecida, em ações transformadoras da Igreja e da sociedade.  Nesse sentido somos todos chamados a avançar no caminho da conversão pastoral e missionária.

Quem prega a Palavra se faz instrumento da Palavra de Deus deixando ressoar o anúncio fundamental e comum, e o faz com maior ou menor acerto, ensinando aquilo que lhe ensinaram. A Palavra chama à conversão e suscita a resposta da fé. A fé é dom que transforma o coração daquele que crê e o converte num novo ser.

A Palavra é sacramento salvífico. Pelo sacramento, o amor de Deus é experimentado a partir da humildade e da grandeza do sinal.

 

Evangelizar para a Igreja significa: levar a boa notícia a todos os ambientes da humanidade, procurando transformar a si mesma e renovar a própria humanidade

Na catequese, o servo da Palavra, o catequista, instrui e acompanha na fé, procura transformar a vida do catequizando ao estilo do Evangelho. Aqui o anúncio da Palavra faz-se lenta e progressivamente, de acordo com os itinerários adequados a cada momento, etapa ou ocasião da vida do batizado ou do catecúmeno. Na catequese a Palavra é objeto de reflexão e estudo, de assimilação e consolidação no caminho cristão.

A mensagem cristã, explicada de maneira cordial, ajuda a estabelecer pontes com o passado cristão de nossas culturas.

Jesus apresenta-se no Evangelho como enviado pelo Espírito (Lc 4,18) para proclamar a boa-nova (Mc 1,14-15) e para dar a vida em resgate por muitos (Mc 10,45). Envia seus discípulos para pregar o reino de Deus (Lc 9,2). Depois da ressurreição, enviou-os para fazerem discípulos todos os povos (Mt 18,19), pregarem em seu nome a todas as gentes (Lc 24,47) e proclamarem o Evangelho (boa nova) a toda a criatura (Mc 16,5). A missão de Jesus é envio que procede do Pai e se realiza sob a ação do Espírito Santo. Esta é a mesma missão que Jesus comunica aos seus apóstolos com o objetivo de evangelizar a todos.

A missão que Jesus comunicou à Igreja tem sua fonte na Trindade. Nesse sentido, a Igreja peregrina é, por sua natureza, missionária, visto que toma sua origem da missão do Filho e da missão do Espírito Santo, segundo a vontade do Deus Pai.

Evangelizar para a Igreja significa: levar a boa notícia a todos os ambientes da humanidade, procurando transformar a si mesma e renovar a própria humanidade. Naquele “Ide” de Jesus, estão presentes todos os cenários e os desafios sempre novos da missão evangelizadora da Igreja e hoje todos nós somos chamados a esta nova ‘saída’ missionária. O Papa Francisco nos convoca para essa saída e nos alerta: A saída exige “prudência e audácia”, “coragem e ousadia”.

Somos chamados a ir ao encontro com Jesus e com ele viver uma intimidade itinerante que é partilha da sua vida, da sua missão e dos seus sentimentos.

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora da Comissão Arquidiocesana Bíblico-Catequética de BH