Você está em:

Homilia de dom João Justino durante celebração na Polônia, é traduzida para 12 idiomas

Dom João Justino concelebrou Missa na manhã dessa quinta-feira, 21, em Lodz, na Polônia. A celebração faz parte da programação da Comunidade Caminho Novo, que antecede a 31ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

A Homilia de João Justino foi traduzida para 12 idiomas. Presidida por dom Philippe Ballot, arcebispo de Chambéry (FR), a Missa contou com a participação de de 15 bispos, 200 padres e 5200 jovens.

– Assista à celebração aqui.

Homilia de dom João Justino na íntrega:

Chegue ao coração de todos vocês, irmãos e irmãs em Cristo, minha saudação na alegria de celebramos juntos a Eucaristia.

Toda a história da salvação é a história da misericórdia de Deus. Não encontraremos sequer um momento em que Deus tenha agido sem misericórdia para com seus filhos e filhas. A humanidade, de sua parte, não poucas vezes rejeitou o amor de Deus e, tantas vezes mais, deixou de ser misericordiosa com os irmãos e as irmãs.

O profeta Jeremias, no texto da primeira leitura, adverte o povo que se esqueceu do modo como foi tratado pelo Senhor. Tendo sido destinatário de tanta atenção e de tantos cuidados, o povo, os sacerdotes, os mestres da lei e também os profetas não reconheceram o Senhor e voltaram suas costas para ele, caindo no terrível pecado da idolatria. O Senhor identifica a atitude de seu povo com essas palavras: “Dois pecados cometeu meu povo: abandonou-me a mim, fonte de água viva, e preferiu cavar cisternas, cisternas defeituosas que não podem reter água” (Jr 2,13).

Que cegueira é essa que impede de reconhecer a fonte de água viva? Como pode alguém preferir cavar cisternas defeituosas a beber gratuitamente a água viva, nas torrentes das delícias de Deus (cf. Sl 35,9)? Se o Senhor não tivesse misericórdia de nós, teria nos deixado morrer pela escassez das águas de nossas cisternas.

Mas não. O Senhor é movido por sua misericórdia. Ele nos vê errantes pelas estradas e vem ao nosso encontro para mostrar o Caminho. Ele nos envia seu Filho Amado e nos convida a acolher em Jesus Cristo o seu Reino de amor, de justiça e de misericórdia. Jesus nos revela o amor do Pai e o Reino dos Céus. Utiliza parábolas como convite à compreensão do que é mais importante. Isso causa uma pergunta dos discípulos: “Por que tu falas ao povo em parábolas?” (Mt 13,10).

Respondendo aos discípulos, Jesus recorre ao profeta Isaías e identifica algo muito grave no povo de Deus: a insensibilidade do coração. Um coração insensível impede que se compreenda o que se escutou, impede de enxergar o que se viu. Tem ouvidos, mas não escutam. Tem olhos, mas não veem. Como isso é possível? O que pode enrijecer o coração e deixar uma pessoa insensível à palavra do outro, em especial, à palavra de Jesus? Jesus havia dito: “onde está o teu tesouro, aí está o teu coração” (Mt 6,21). Cada um de nós sabe os motivos que nos distraem da escuta da palavra do Senhor. Cada um de nós sabe o que nos impede de ver o caminho da verdade que liberta. Toda vez que nosso coração se apega às coisas, situações e escolhas que não são de Deus, não podemos mais escutá-lo nem mesmo reconhecer os sinais dele em nossa vida. Quem não dá prioridade à Palavra de Jesus Cristo não pode compreender os seus ensinamentos. Nosso coração se torna insensível por causa dos apegos que enfraquecem nossa liberdade. Infelizmente, somos capazes de abandonar a fonte de água viva e de correr atrás de cisternas defeituosas.

Quem escolhe Jesus e seu evangelho escolhe a fonte de água viva e não precisa sair à procura de outras fontes. Quem orienta seu coração para o tesouro que é Jesus Cristo não vai ficar insensível à sua Palavra.

Queridos jovens, meditem isso: Jesus é o rosto da misericórdia do Pai. Não virem as costas à face misericordia de Jesus para irem em busca de rostos mascarados que escondem a infelicidade. Não tenham medo de se aproximar dele e nem de abrirem seu coração para ele.

Jesus Cristo acolhe você para perdoá-lo! Não para julgá-lo. Não troquem as palavras de Jesus, que são palavras de vida eterna, por palavras vazias e passageiras que tentam nos seduzir a todo momento. Cuidem para que seus olhos estejam sempre fixos em Jesus.

Em nossa vida, queridos jovens, vocês e todos nós podemos contar com a companhia daquela que se fez servidora da Palavra, daquela cujo coração não se afastou de Deus. Seu nome é Maria de Nazaré. Na tarde de hoje, você é convidado a caminhar com ela na viacrucis de seu Filho. Que ela nos acompanhe nos caminhos de Jesus e eduque nosso coração para escutar o seu Filho e fazer tudo o que Ele nos disser. Amém.
 

Dom João Justino de Medeiros Silva
Bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte