Você está em:

Fiéis se emocionam com a criação do Santuário da Saúde e da Paz

O Dia do Bem-Aventurado Eustáquio, 30 de agosto, celebrado no último sábado, foi ainda mais especial para dona Francisca (foto ao lado), de 99 anos, e outros milhares de fiéis. Durante Missa presidida pelo arcebispo dom Walmor Oliveira de Azevedo, concelebrada pelo arcebispo de Vitória (ES), dom Luiz Mancilha Vilela, SS.CC., e muitos sacerdotes, a igreja Sagrados Corações, onde estão as relíquias do Bem-Aventurado, tornou-se oficialmente o Santuário Arquidiocesano da Saúde e da Paz.

 

Após a leitura do Evangelho, o padre Marcus Vinicius Maciel, superior provincial da Congregação dos Sagrados Corações, da qual fez parte padre Eustáquio, leu o decreto de criação do Santuário Arquidiocesano da Saúde e da Paz. Em seguida, foi lida a provisão que oficializa o padre Sérgio Stein como o seu primeiro reitor. Durante sua homilia, dom Walmor explicou que o novo Santuário Arquidiocesano foi criado para cumprir a missão de defender a “saúde e a paz”, assim como o fez padre Eustáquio. O Arcebispo recordou o Salmo que integrou a primeira leitura do dia – “Saboreai e vede como o Senhor é bom” – para dizer que o lugar sagrado será uma escola com a missão de ensinar cada pessoa a “saborear, cada vez mais, como o Senhor é bom”.

 

Para isso, dom Walmor explicou que serão criados no local três espaços. O primeiro, a Tenda da Reconciliação, foi inaugurado logo após a Missa. Trata-se de um ambiente dedicado à escuta e onde os fiéis poderão receber o Sacramento da Reconciliação. As duas outras Tendas, da Saúde e da Paz, serão inauguradas posteriormente, em uma edificação ao lado do Santuário. Serão espaços para o cuidado da saúde física e mental, ambiente que contribui para a serenidade e harmonia.

 

No horizonte destes serviços, conforme explica dom Walmor, busca-se fortalecer a fé. “Quando a fé é o coração pulsante de nossa vida, o mundo muda rapidamente”, lembrou. No caminho contrário, alerta o Arcebispo, “sentimo-nos órfãos no mundo, distantes de Deus, o que compromete a cultura”. Dom Walmor ainda citou a carta de Paulo aos Gálatas, onde o apóstolo diz que cada pessoa tem um fardo a carregar, para explicar que o Santuário será um lugar em que todos poderão renovar força para levar o próprio fardo e ajudarem uns aos outros a enfrentarem as dificuldades. “Este Santuário será lugar para desenvolver em cada um a competência para carregar o próprio fardo e o fardo uns dos outros”, concluiu.

 

Depois da Celebração Eucarística, dom Walmor abençoou a placa que marca a instalação do Santuário. Visitou seus espaços e recebeu o carinho dos peregrinos.

Veja algumas fotos

Inauguração da placa com o decreto de criação do Santuário da Saúde e da Paz

Dom Luiz Mancilha, arcebispo de Vitória, e padres que concelebraram a Missa homenageiam padre Eustáquio

Dom Walmor foi acolhido com grande alegria pelos fiéis