Você está em:

De acordo com pesquisa realizada pela International Stress Management Association no Brasil (ISMA-BR), 70% dos brasileiros sofrem as consequências do estresse. Destes, 30% são vítimas da Síndrome de Burnout, um termo que descreve o estado de exaustão prolongada e diminuição de interesse, especialmente em relação ao trabalho. O termo “burnout” descreve principalmente a sensação de exaustão da pessoa acometida.

Estudos também mostram que algumas pessoas passam pelo mesmo processo de pressão e adversidade no ambiente de trabalho, mas não entram no estado de estresse ou ‘burnout’, suportando a pressão mantendo-se equilibradas, isto é, sem quebras emocionais. Estas pessoas são chamadas de resilientes, pois possuem atitudes diferenciadas em relação às adversidades no trabalho ou na vida pessoal.

Resiliência é uma palavra que vem latim resilio, que significa “voltar ao normal”. O conceito foi criado em 1807, pelo cientista inglês Thomas Young, que fazia estudos sobre a elasticidade dos materiais. Mais tarde, a resiliência foi incorporada pela física como a capacidade que certos materiais têm de acumular energia quando submetidos a um esforço e, cessado o esforço, retornar ao seu estado natural sem sofrer deformações permanentes. É o que acontece com uma vara no salto em altura.Quando o atleta toma impulso para saltar, a vara se curva, acumula energia, projeta o atleta sobre o obstáculo e depois retorna ao seu estado normal.

 

Ser resiliente é uma questão de atitude, isto é, entrar em ação para solução
das pressões e adversidades cotidianas

 

Nas últimas décadas do século 20, o termo resiliência foi abraçado pela psicologia, para denominar a capacidade que certas pessoas têm de sofrer fortes pressões ou situações de grande estresse e não quebrar emocionalmente. Na verdade estas pessoas se fortalecem neste processo, “acumulando energia” para assim como a vara do salto em altura, projetar-se para resolver as adversidades que estão passando.
O iatista Lars Grael é um exemplo de uma pessoa resiliente. No auge da sua carreira repleta de conquistas, perdeu uma de suas pernas em um trágico acidente de barco, em 1999. Anos depois voltou a competir e ganhar medalhas. “O erro das pessoas, em geral, é se voltar para trás”, disse Grael certa vez. “Se eu fosse comparar minha vida anterior com a que levo hoje, com certeza teria entrado em depressão. Mas não adianta olharmos para trás. Temos que lidar com o aqui e agora. Poderia ter sido pior, e tenho a obrigação de me sentir no lucro”.
Ser resiliente é uma questão de atitude, isto é, entrar em ação para solução das pressões e adversidades cotidianas. A pessoa resiliente não permite entrar na sintonia do medo e da tristeza, sentimentos estes que paralisam, impossibilitando a retomada para a ação.

 

Não se é resiliente sozinho, embora a resiliência seja íntima e pessoal. Um dos fatores de maior importância é o apoio e o acolhimento, dado em geral por outro individuo

 

A pessoa resiliente primeiramente questiona o que deve ser feito para solucionar este problema, investigando várias opções, utilizando a sua flexibilidade e criatividade para sair do momento adverso. Concluído este processo ela entra em ação, pois agora tem a tal motivação, isto é, motivos para entrar em ação e fazer o que tiver que ser feito para minimizar ou até mesmo sair da adversidade.

Não se é resiliente sozinho, embora a resiliência seja íntima e pessoal. Um dos fatores de maior importância é o apoio e o acolhimento, feito em geral por outro individuo, e essencial para o salto qualitativo que se dá. Alguns autores nomearam essas pessoas: Flash chamou-as de ‘mentor de resiliência’; Cyrulnik chamou-as de ‘tutor de resiliência’; muito antes Bolwby chamou-as de ‘figura de apego’. Denominações a parte, a resiliência ganha hoje seu espaço na pesquisa em ciências humanas, médicas, sociais, administrativas etc.

Mas não se forma um mentor/tutor/figura de apego. Não se pode dizer que alguém vai ser a partir de agora esse individuo que vai chegar para operar o milagre. A resiliência é, na verdade, o resultado de intervenções de apoio, de otimismo, de dedicação e amor, ideias e conceitos que entram sorrateiramente nas ciências como causa e efeito, intervenção e resultado, hipótese e tese de que as relações intra e inter-humanas são relações que ultrapassam o rigor do empirismo para encontrar o acaso

Dicas para desenvolver ou aumentar a resiliência:(orientações sugeridas por dr. Alberto D’Auria)

•    mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente. Sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade;
•    aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação;
•    praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição;
•    procurar manter o lar em harmonia, pois isto representa “o ponto de apoio para recuperar-se”;
•    aproveitar parte do tempo para ampliar conhecimentos, pois isto aumenta a autoconfiança;
•    assumir riscos (ter coragem), pois não adianta brigar com os problemas. É preciso enfrentá-los para não ser destruído por eles;
•    tornar-se um(a) “sobrevivente” repleto(a) de recursos no mercado de trabalho;
•   usar a criatividade e a imaginação para quebrar a rotina e mudar seus hábitos para resolver situações imprevistas, adversas e delicadas;
•    transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom e melhor;
•    apurar o senso de humor (desarmar os pessimistas);
•    separar bem quem você é e o que você faz;
•    permitir-se sentir dor, recuar e, às vezes, enfraquecer para, em seguida, retornar ao seu estado original.

Luiz Roberto Fava
Palestrante e consultor nas áreas de qualidade de vida