Você está em:

Dom Walmor partilha com Belo Horizonte a alegria pelo reconhecimento da Unesco

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) reconheceu neste domingo, dia 17 de julho, em Istambul, na Turquia, o Conjunto Moderno da Pampulha, projetado por Oscar Niemeyer, como Patrimônio Cultural da Humanidade. A reunião da Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial seria realizada ontem, mas, devido à situação política na Turquia, teve que ser suspensa.

A Capela São Francisco de Assis integra o complexo, e o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, parabenizou os belo-horizontinos pela conquista. “O anúncio da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) mostra que  a eleição  não poderia ter sido mais  acertada, pois o Conjunto Arquitetônico da Pampulha é um dos primeiros complexos modernistas do mundo e a primeira grande expressão da importante obra do arquiteto Oscar Niemeyer. Se essa é uma expressão inequívoca do talento de um dos maiores mestres da  arquitetura mundial, a presença da Capela de São Francisco de Assis como um dos elementos mais marcantes desse conjunto arquitetônico – símbolo de Belo Horizonte –  é também testemunho vivo da história da fé mineira, enraizada na religiosidade. A todos os mineiros, e especialmente aos belo-horizontinos, o meu abraço e alegria  de compartilhar com vocês tão importante momento”.

A partir de agora, a Pampulha integra o grupo do qual fazem parte as Muralhas da China, as Pirâmides do Egito, o Palácio Taj Mahal, na Índia, entre mais de mil bens. Em Minas Gerais, será o quarto: já estão na lista os centros históricos de Ouro Preto e Diamantina, no Vale do Jequitinhonhae o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas.