Você está em:

Dom Walmor participa de Simpósio Internacional Celam – Uniapac

O arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, participa do 12º Simpósio Celam (Conselho Episcopal Latino-Americano) – Uniapac LA (União Internacional Cristã de Dirigentes de Empresas), nos dias 9 e 10 de outubro, em Santiago de los Caballeros, na República Dominicana. Empresários de vários países e bispos da Igreja da América Latina e do Caribe estarão reunidos para refletir sobre as realidades da região.

O lema do simpósio será “Responsabilidade dos líderes empresariais para construir uma sociedade mais justa, pacífica e fraterna”. O evento acontece a cada dois anos com interações, troca de experiências, diálogo franco e colaborativo entre os empreendedores e sacerdotes da Igreja, identificando necessidades e demandas de cada um, em suas respectivas regiões.

Dom Walmor participará de mesa redonda sobre a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, com reflexões sobre como o empresário cristão poderá contribuir com governos, parlamentos, tribunais e outros setores do poder público e da sociedade. Também participarão da mesa redonda o diretor da Uniapac Latino-Americana, Rolando Medeiros (Chile), e a diretora do Movimento dos Trabalhadores Cristãos ( Peru), Rosa Pacheco.

Empresários Cristãos se reúnem em congresso Latino-Americano

No dias 8 e 9 de outubro  será realizado o 11º Congresso Latino-Americano da Uniapac. Pela primeira vez, o evento será comandado pelo presidente, empossado no ano passado na Uniapac Latino-Americana, o empresário brasileiro Sérgio Cavalieri. Confirmaram presença representantes de 10 países latino-americanos: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Honduras, México, Paraguai, Peru e República Dominicana.

Com o tema “Uma Nova Economia é Possível”, o Congresso vai refletir sobre o modelo de uma nova economia que recoloque o homem efetivamente no centro das decisões econômicas, políticas, empresariais e sociais. Os participantes pretendem  comprovar, em teoria e com casos concretos, que uma economia que respeita as pessoas é possível e, assim,  despertar nos líderes empresariais a vontade de seguir esse caminho em busca de um mundo melhor.