Você está em:

Comunicado sobre a restauração da Igreja São Francisco de Assis, na Pampulha

 
1) A oficialização das obras de revitalização da Igreja São Francisco de Assis, na Pampulha, ocorreu apenas neste ano, com a divulgação, em meados do mês de setembro, do cronograma dos trabalhos. Assim, foram agendados anteriormente à comunicação oficial Matrimônios para o próximo ano, coincidindo com a reforma da Igreja São Francisco de Assis. As obras serão realizadas pelo poder público, com recursos destinados à salvaguarda dos bens históricos. Por determinação legal, se as obras não começarem ainda neste ano, como prevê o cronograma, a restauração será cancelada e os recursos retornarão para o Governo Federal. 
 
2) Trata-se da necessidade de proteger e restaurar a Igreja São Francisco de Assis, na Pampulha, um bem cultural, histórico e artístico da Capital Mineira. Portanto, o momento requer a imprescindível união de esforços para que os trabalhos de revitalização desse patrimônio, que é de cada belo-horizontino, sejam realizados.
 
3) Importante: a Igreja não vai desamparar os casais que agendaram celebrações do Matrimônio na Igreja São Francisco de Assis. A Igreja está, desde o início, empenhada em buscar a melhor solução.  
 
4) Em diálogo com as instituições do poder público responsáveis pela obra, a Arquidiocese de Belo Horizonte conseguiu promover adequações no projeto de revitalização para que os casamentos agendados até o fim do mês de dezembro de 2016 sejam realizados normalmente na Igreja São Francisco de Assis. Não há conflito com o calendário de restauração.
 
5) Os casais que agendaram a celebração do Matrimônio para data posterior ao mês de dezembro de 2016 estão sendo recebidos na Cúria Metropolitana pelo bispo auxiliar dom Edson Oriolo. A determinação é que cada casal seja ouvido e, respeitando as singularidades de cada planejamento para a realização do Matrimônio, busque-se a melhor solução. 
 
6) Entre as várias possibilidades está a realização do Matrimônio em outros templos de reconhecida importância histórica, cultural e arquitetônica. Em caráter de excepcionalidade, também poderão ser organizadas celebrações no local onde os convidados serão recepcionados, se essa for a vontade dos noivos. 
 
7) Oportuno dizer que a revitalização da Igreja São Francisco de Assis, na Pampulha, não significa a necessidade de remarcar as datas das celebrações do Matrimônio.