Você está em:

Como entender a leitura de um texto Bíblico?

Primeiramente, uma das preocupações que se deve ter ao anunciar a Palavra de Deus às outras pessoas, aos nossos catequizandos crianças, jovens e adultos, é levar em consideração as exigências da realidade que hoje experimentamos. A Bíblia traz sua mensagem para nós, neste chão da vida onde vivemos os nossos conflitos, mas também nossas alegrias.

Ao colocar a Palavra de Deus em nossa vida, também necessitamos estar atentos às exigências da revelação expressas na própria Bíblia e na fé da Igreja, pois a Bíblia contém a Palavra de Deus e, por isso mesmo, tem as exigências que não dependem de nós e que devem ser respeitadas, para que a Bíblia possa ser realmente Bíblia para nós. Atender às exigências da realidade do povo é se colocar na escuta da voz do povo e assim, descobrir o que Deus tem a nos dizer.

A Escritura é fonte e princípio da revelação de Deus. A catequese tem a missão de fazer ressoar na vida dos catequizandos a Palavra revelada.

Vários são os métodos que podem ser utilizados para fazer a leitura da Bíblica, com também várias são as considerações que precisamos levar em conta, pois a Bíblia retrata o itinerário da fé de um povo, por isso, é nela que buscamos luz e inspiração para todo o processo da evangelização e da catequese, sobretudo quando se trata dos adultos. Ela é a fonte na qual a catequese busca a sua mensagem. Para uma leitura fiel da Bíblia um primeiro critério é crer que Bíblia é a Palavra de Deus e Palavra da vida

Assim, o primeiro passo para conhecer a palavra de Deus que está na Bíblia é ler a própria Bíblia. Para essa leitura temos sete chaves que abrem a “casa” da Bíblia de forma libertadora, agradável e correta. Estas “chaves” são fáceis de lembrar, pois elas estão simbolizadas nosso próprio corpo.

Com as sete chaves encontra-se a Palavra de Deus que está na Bíblia e na vida e entenderá melhor o sentido escondido atrás das palavras.

 

1.    Pés bem plantados na realidade – Para ler bem a Bíblia é preciso ler bem a vida. Conhecer a realidade pessoal, familiar e comunitária do país e do mundo. É preciso Conhecer também a realidade na qual viveu o Povo da Bíblia, pois ela nasceu das lutas, das alegrias, da esperança e da fé de um povo. (ver Ex. 3,7-10).

2.    Olhos bem abertos – Um olho sobre o texto da Bíblia e outro sobre o texto da vida.  O que fala o texto da Bíblia? O que fala o texto da vida? A palavra de Deus está na Bíblia e está na vida. Precisamos ter olhos para enxergá-la.

3.    Ouvidos atentos, em alerta – Um ouvido para escutar o clamor do povo e outro para escutar o que Deus quer falar.

4.    Coração livre para amar – Ler a Bíblia com sentimento, com a emoção que o texto provoca. Só quem ama a Deus e ao próximo pode entender o que Deus fala na Bíblia e na vida. Coração pronto para converter-se.

5.    Boca – A boca para anunciar e denunciar aquilo que os olhos viram, os ouvidos ouviram e o coração sentiu sobre a Palavra de Deus e a vida.

6.    Mãos – as mãos nos ajudam a partilhar com os irmãos os maravilhosos dons que recebemos gratuitamente do Pai.

7.    Joelhos dobrados em oração – Só com muita fé e oração dá para entender a Bíblia e a vida. Pedir ajuda ao Espírito Santo para entender o “espírito” da Bíblia. Não podemos fazer uma leitura ao pé da letra, porque a letra mata e o espírito vivifica, como adverte são Paulo (ver 2Cor 3,6).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Certamente descobriremos outras chaves de leitura, mas estas são indispensáveis. Assim, é bom unir as chaves num chaveiro forte e firme. Esse chaveiro é a família, o círculo bíblico ou sua comunidade. A Bíblia lida em comunidade se torna mais fácil, mais proveitosa, mais agradável. É um sinal da presença de Deus (ver Mt 18,20).
 

Neuza Silveira de Souza 
Coordenadora da Comissão Bíblico-Catequética da Arquidiocese