Você está em:

CNBB repercute escola de arte bizantina da Arquidiocese de BH

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), repercute informação sobre a escola de arte bizantina da Arquidiocese de Belo Horizonte.

A primeira unidade fora da Itália da escola de arte bizantina do Instituto Oriental Centro Aletti, será na Catedral Cristo Rei. A instiruição, vinculada à Pontifícia Universidade Gregoriana, da Ordem Jesuíta, irá formar mosaicistas – profissionais que trabalham com mosaicos bizantinos, técnica que remonta ao século 4º. Com pequenas pedras, de várias tonalidades e formas, eles retratam rostos de santos, cenas bíbicas e da história da Igreja.

Em Belo Horizonte, a arte será ensinada de maneira especial às comunidades carentes da região, como parte dos projetos sociais envolvidos no contexto da nova catedral.

A escola irá ensinar a milenar arte dos mosaicos bizantinos, direcionanda, especialmente, às comunidades pobres. Para aprender as técnicas dos mosaicos, vitrais e, também de esculturas, a Arquidiocese de Belo Horizonte enviou, a Roma, o padre Gleicion Adriano Silva, que há nove meses se prepara para coordenar as atividades na Catedral Cristo Rei.

“Um trabalho coletivo”, segundo padre Gleicion. “Na escola, cada aluno fica responsável por executar uma parte do trabalho. Antes de começarmos a produção, participamos de um momento de oração. É uma conjugação de arte, fé e serenidade”, explica o sacerdote, ex-pároco da  Paróquia Santo Antônio da Pampulha.

A ideia de investir no talento artístico do  padre Gleicion e enviá-lo a Roma partiu do arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo. O sacerdote conta que sempre gostou de desenhar e pintar imagens de santos e, mesmo participando das aulas e do trabalho coletivo no Instituto, ainda encontrou tempo para fazer  um mosaico de São José ,  que levou três semanas para ser concluído.

Após o curso ministrado pelo jesuíta esloveno Marco Ivan Rupnik, padre Gleicion coordenará a escola de BH, um espaço também dedicado à formação sobre preservação do patrimônio cultural e religioso.

Na Catedral Cristo Rei, os mosaicos estarão presentes nos projetos realizados em parceria com o padre Rupnik, que também é responsável pelos mosaicos da Capela Papal, no Vaticano, e autor do projeto de decoração do Santuário de São João Paulo II, na Cracóvia, com 1,6 mil metros quadrados de mosaicos já concluídos e outros mil metros quadrados que ainda serão feitos.