Você está em:

 Mensagem do Arcebispo Dom Walmor

Amados e amadas de Deus,

convoco a comunidade católica para um esforço cívico de participação ativa no processo eleitoral deste ano, para que sejamos instrumento de verdadeira transformação das estruturas injustas e corruptas de nossa sociedade. O evangelho nos impele a uma atitude de participação cidadã. O cenário sociopolítico e econômico brasileiro tem sido, ao longo das últimas décadas, marcado por deslizes éticos e morais gravíssimos, em diversas circunstâncias, envolvendo diferentes pessoas, instituições e autoridades públicas. Trata-se de algo tão grave que chega a abalar as instituições democráticas do nosso país. Isto prova que a sociedade não pode abrir mão do compromisso com a ética na política, do sentido de solidariedade e da compreensão da própria vida como serviço. Serviço entendido como definição e concretização da cidadania.

A Igreja Católica de Belo Horizonte, fiel à missão de Jesus Cristo que veio para evangelizar os pobres (Lc. 4,18) e comprometida com a opção preferencial por eles, expressa nas conferências Episcopais da América Latina (Medellín, Puebla e Santo Domingo), abre-se, amplamente, ao serviço dos excluídos num compromisso de amor ativo e concreto. Por isso, a Arquidiocese de Belo Horizonte, há vários anos, incentiva a participação efetiva dos cristãos no processo eleitoral.

Sabemos que as mudanças sociais, numa democracia, ocorrem pela via política. Se quisermos uma sociedade mais justa, solidária e verdadeiramente comprometida com os valores evangélicos devemos investir na formação política dos cidadãos. As Eleições constituem oportunidade de sério compromisso cidadão: participar da política, iluminados pela fé e pela consciência da dignidade da pessoa humana. Este é um momento privilegiado para o resgate da esperança na vida de todos nós, especialmente daqueles que sofrem a exclusão e os seus terríveis efeitos.

Temos a obrigação de “dar as razões da nossa esperança”, (1Pd 3,15). Esta esperança se sustenta, também, na convicção de que a ética na política é um imperativo moral na vida pública e nosso voto tem força e pode começar a mudar situações de injustiça e desesperança. Temos o dever de eleger candidatos que nos dêem a garantia da competência e da honestidade por meio do livre exercício do poder de escolher. E essa liberdade de escolha exige de nós o conhecimento dos princípios básicos e das orientações fundamentais para bem exercer o direito do voto, gesto nobre de cidadania. Não podemos escolher para os outros, mas temos a obrigação de colaborar para que todos possam discernir com clareza, certos de que esta é a grande oportunidade de promovermos mudanças importantes em nosso país, em nosso estado e em nossos parlamentos.

Neste momento privilegiado para o resgate da esperança numa sociedade justa, a Arquidiocese de Belo Horizonte, embora não apóie nem indique candidatos ou partidos políticos, sugere critérios para que os eleitores possam realizar uma escolha refletida, não enganosa. E mais, incentiva que após profunda reflexão e discussão coletiva, grupos indiquem candidatos (o que é recomendável, pois se criam laços de responsabilidade com os eleitos). Nesse caso, chama a atenção para que não haja dispersão dos votos (discutindo-se sobre os candidatos em que a comunidade pode concentrar os votos) e se evite votar em nomes que apenas “engordarão” uma legenda (partido ou coligação).

Coerente ao espírito democrático e à lisura nas eleições, que prega, a Arquidiocese de Belo Horizonte não permite o uso de fotos, textos e imagens do Arcebispo Metropolitano, dos bispos auxiliares, vigários episcopais e padres em material de propaganda eleitoral. Também não permite a propaganda eleitoral contendo publicidade partidária ou de candidatos nos eventos da Arquidiocese, nas celebrações litúrgicas e nos locais de culto das paróquias católicas.

Entendendo que a política pode ser uma das mais altas expressões da caridade cristã, a Arquidiocese de Belo Horizonte incentiva o voto esclarecido e consciente e, para tanto, recomenda que todos os católicos se reúnam em grupos de reflexão, tendo como referência de leitura o material que será divulgado e disponibilizado pelo Nesp – Núcleo de Estudos Sociopolíticos e pelo Vicariato para Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Belo Horizonte, julho de 2010.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte