Você está em:

Cáritas Regional Minas Gerais é homenageada em cerimônia do Ministério Público

A Cáritas Brasileira, Regional Minas Gerais, foi agraciada com a Medalha do Mérito do Ministério Público Promotor de Justiça Francisco José Lins do Rego Santos. Junto a outras 29 pessoas e representantes de instituições, a Cáritas Minas recebeu a Medalha em cerimônia realizada no dia 11 de setembro, no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), em Belo Horizonte. Entre os homenageados, estava padre Rennê Lopes, pároco da paróquia São Sebastião de Brumadinho.

Em 2019, a cerimônia homenageou personalidades e entidades que contribuíram para minimizar os inúmeros impactos humanos, sociais, ambientais e econômicos causados pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Desde o ocorrido, a Cáritas esteve presente no município e região, apoiando as ações da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Para Genelísio Marques, agente da Cáritas que atuou em Brumadinho após o rompimento, a Igreja tem feito seu papel de consolar as pessoas e estar na luta pelos direitos dos atingidos. “A Cáritas é Igreja e estamos juntos nesse apoio”, explica. Ele lembra que atuar na região após o crime da Vale foi um grande desafio. “Essa foi uma experiência de vida: conviver com todo aquele sofrimento, participar e estar junto das pessoas”, conta.

Durante a cerimônia, em uma homenagem póstuma, o prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo Barcelos, entregou a comenda a Edison Luiz Albanez, viúvo da secretária municipal de Assistência Social, Sirlei de Brito Ribeiro, vítima do rompimento da barragem da Vale.

Em seu pronunciamento, o procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet, falou sobre o significado de ofertar esta homenagem a pessoas e entidades que, desde o primeiro momento, não mediram forças para dar respostas à população de Brumadinho. “As entidades da sociedade civil, as universidades, o cinema, a imprensa, a Igreja e outras entidades demonstraram ser parcerias do Ministério Público e também da sociedade civil brasileira na difícil missão de punir, reparar e não repetir”, afirmou Tonet.