Você está em:

Campanha incentiva hábitos de higiene das mãos para prevenir doenças

 

A Pastoral da Criança da Arquidicoese de BH desenvolve a Campanha Lavar as Mãos em comunhão com lideranças de todo o País e com organizações de váriso países.  Um gesto considerado dentre os mais importantes para a preservação da saúde, e que até ganhou um dia especial no calendário: 15 de outubro é Dia Mundial de Lavar as Mãos.

A proposta é que os líderes da Pastoral, nas paróquias e comunidades de fé, reúnam as crianças no momento da Celebração da Vida, para mostrar a elas a necessidade de lavar as mãos várias vezes ao dia. Um hábito que pode evitar doenças respiratórias, hepatite A e diarreias. A ideia é que os líderes utilizem um carimbo para que a partir do desenho de um “bichinho” (que representa bactérias e sujeira), a criança perceba que sua mão não está limpa. Após lavar as mãos, o desenho sai e ela se conscientiza de que a higiene foi feita.

A coordenadora da Pastoral da Criança na Arquidiocese de Belo Horizonte, Marize de Oliveira Mendes Furtado, voluntária há 12 anos, afirma que a Campanha está sendo bem aceita pelas crianças por seguir uma linha lúdica. “Uma cartilha é entregue a elas com proposta de atividades divertidas e educativas para cada dia, tornando a campanha interessante, inclusive para os outros membros da família”.

A metodologia é baseada em quatro passos. O primeiro deles, o convencimento, demonstrando para a criança que há sujeira na mão. O segundo, a aceitação, convidando-a a fazer parte da ação educativa.  O seguinte é a prática, usando a cartilha e realizando as atividades propostas, e o quatro e último passo, o reconhecimento de quem se esforçou, entregando à criança o adesivo com os dizeres: “Agora nossa comunidade sabe como lavar as mãos”.

A campanha é feita durante 21 dias nas comunidades. Esse período é fundamentado em uma tese científica, testada pela universidade de Harvard – uma das mais conceituadas  do mundo), segundo a qual, em três semanas, um comportamento pode ser incentivado e se tornar hábito.

Essa tese foi colocada em prática pela Pastoral da Criança nacional, em dois municípios do estado de São Paulo e em 2013, no Paraná, no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, no Rio de Janeiro e no Mato Grosso do Sul.  Em todos os locais, segundo o gestor de relações institucionais da Pastoral, Clóvis Boufler, foi constatada diminuição no número de crianças levadas aos postos de saúde.
 
Segundo Marize Furtado, a Campanha deve ser concluída entre o final do mês de outubro e início de novembro, em todas as paróquias da Arquidiocese de BH onde a Pastoral da Criança está presente.