Você está em:

[Artigo]Ler a Bíblia interpretando-a para os dias de hoje-Neuza Silveira (Catequista)

A Bíblia é a Palavra de Deus que ilumina nossa vida. Como Palavra de Deus ela traz as exigências que não dependem de nós e que devem ser respeitadas, para que a Bíblia possa ser realmente Bíblia para nós. Ao ler é necessário que estejamos sempre atentos às exigências da realidade que vivemos hoje. Nesse sentido, pode-se descobrir as belas mensagens de vida que sua leitura proporciona a todos aqueles que desejam caminhar nos passos de Jesus.

A Igreja do Brasil está a convidar a todos para prestar atenção ao processo da Iniciação à Vida Cristã, processo esse que torna efetivamente o cristão ligado de forma entranhada à vida do Cristo e assim possa viver nos moldes da vida de Jesus, caminhando com Ele, vivendo como ele e tomando atitudes conforme as exigências da revelação, expressas na própria Bíblia e na fé da Igreja, forma de atender as exigências subjetivas da realidade atual. Segundo o teólogo Carlos Mesters, a comunicação da revelação divina que existe dentro da Igreja, o chamado “Sensus fidelium” é a porta-voz legítimo da vontade de Deus e ocupa o seu ligar ao lado da Bíblia, da Tradição e do Magistério. Assim, atender as exigências da realidade do Povo é escutar a Voz do Povo, para que se possa chegar a descobrir o que Deus tem a dizer. Carlos Mesters diz ainda com muita propriedade que ‘a Palavra de Deus é semente; a sua flor, o sentido, só aparece, quando a Palavra for plantada no chão da vida e lá tiver condições de germinar e produzir seu fruto.

Neste ano, vamos caminhar um pouco com a Palavra de Deus colocando-a sempre presente em nossos encontros catequéticos. A Palavra de Deus é o alimento essencial que fortalece e dá vida às vivências experienciais que acontece nos encontros de catequese e na vida dos catequizandos. Assim como a semente necessita de sol. água, adubos, terra e chuva que acontece no decorrer do ‘tempo’ para crescer, assim também a Palavra de Deus precisa de tempo, tempo da nossa vida, da nossa história, onde o sol, a seca, o tempo, a falta de tempo, o ambiente, os amigos, as leituras, as viagens, os estudos, os problemas, as reflexões, as aulas, a convivência, as experiências trocadas, as reuniões, as discussões, as críticas, as nossas ignorâncias e tantos outros fatores que contribuem para o nosso crescimento. É nessa nossa vida que a Palavra de Deus Cresce e frutifica.
É no nosso caminhar no chão da vida e no cuidado que vamos tendo com nossos problemas e com as exigências que essa vida nos faz que vamos deixando se entranhar na vida do Cristo.

Para colocar a Palavra de Deus na vida é preciso dar vida á Palavra, isto é, interpretá-la na nossa realidade, pois o Povo que recebe e lê a Bíblia é depositário da revelação divina. Muitos ainda não sabem disso, muitos não se colocam como transportadores de comunicação da revelação. É nele, no povo que está depositada a riqueza da revelação e esta revelação vai fluir para a vida dos outros com quem se relacionam através dele. Tudo pode acontecer. E Tudo que acontece no nível da vida onde está a riqueza, acontece no nível da fé. O povo é rico de sabedoria, só não sabe, não se tomou consciência, em questão de fé, que essa sabedoria está nele. Daí a importância de ir buscar, formar-se, vivenciar, experimentar, conversar sobre, dialogar, procurar se integrar, sair de si mesmo, abrir o cofre da vida e se deixar revelar, deixar que os outros recolham as contribuições que podem dar enriquecendo o saber do outro e com o outro enriquecer-se.

Conhecer a Palavra de Deus e colocá-la na vida é tarefa do cristão. Para uma boa interpretação das Palavras inspiradas pelo Espírito Santo que encontramos na Bíblia, é preciso que cada um seja guiado pelo Espírito Santo. Mas essa Palavra foi confiada à comunidade dos Crentes, à Igreja de Cristo, para alimentar a fé e guiar a vida de caridade. Assim, faz-se necessário que estudiosos da Palavra ajude a Igreja a ser fiel à Palavra Inspirada pelo Espírito, reconhecendo os escritos bíblicos como palavra dirigida por Deus ao seu povo que nunca deixou de os meditar e de descobrir suas inesgotáveis riquezas.

 

 

 

 

Neuza Silveira de Souza

Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano
Bíblico-Catequético de Belo Horizonte.

VEJA TAMBÉM