Você está em:

[Artigo] No final do percurso, um acontecimento Pascal: o caminho continua – Neuza Silveira (Catequista)

Estamos nos aproximando do final do ano litúrgico, nos preparando para a grande festa de Cristo Rei que será no dia 24 de Novembro e também nos colocando na expectativa do Advento, tempo de retornar às raízes da fé e do amor, às raízes de Deus em nós, raízes que se entrelaçam em nossas histórias.

Ao encerrar os encontros de catequese, neste ano, nós, catequistas, não podemos deixar de motivar aos nossos catequizandos como é importante a nossa presença participativa nas celebrações litúrgicas. Dar continuidade ao novo caminho que se inicia se colocando na espera do Messias que renasce e nos traz uma vida nova. Neste ano, também temos algo mais a celebrar. Após a conclusão dos trabalhos da VI APD em nossa Arquidiocese, celebramos o início de novos projetos, novas atividades, que trará novo vigor e encantamento na vida da Igreja.

Festa de Cristo Rei

Com a festa de Cristo Rei celebramos todas as vitórias de Deus, vitória do bem sobre o mal. Ele, o Pai, nos tornou capazes de participar da Luz, nos libertou do poder das trevas e nos recebeu no reino de seu filho amado. Ele, o Cristo, é a cabeça do corpo, ou seja, da Igreja, esta que se constitui com todos nós. Ele é o princípio e o fim, o Alfa e o Ômega. Nele Deus quis habitar com toda a sua plenitude e Ele, ao vencer a morte e ressuscitar, elevou toda a criação à plenitude.

Cristo reina no meio de nós e com ele, nós somos chamados a viver com compromisso e verdade, viver como Cristo viveu, ter o sentimento de Cristo. Ele, presente no meio de nós, e em nós, batizados, Ele continua vivendo sua humanidade. Deixar Cristo reinar no meio de nós é deixar que Ele reine em nosso coração, que ele lhe dê a direção, pois foi para isso que ele veio: Ele desceu até nós e se fez um de nós para que pudesse ajudar àqueles que desviaram do seu caminho. Ele nos reconduz ao seu reino, nos ensina o caminho de retorno ao paraíso, pois somos todos revestidos de sua realeza.

O Reino de Jesus Cristo é diferente do que vimos por aqui, neste mundo. Aqui percebemos um mundo de pobreza, o pobre que não tem alimento, moradia, e não tem ninguém para ajudar, pois as realezas existentes os exploram, sugam suas forças e os façam trabalhar para o acúmulo de bens da própria realeza.  No Reinado de Jesus, ele assume a condição humana, foi o máximo de pobreza humana, sentiu tudo o que o homem pode viver e sentir na terra, e ele se deu por nós. Ele se fez alimento para nós, ele suga do seu próprio corpo de e dá de comer.

Assim, podemos aprender com Jesus que o Reino de Deus é um modo de ser. Então olhamos para nós e nos perguntamos: como estamos agindo? Que projeto de vida tenho para viver nesse novo Ano Litúrgico que está a caminho. Como vou me fazer presente nas liturgias que é uma ação divina, um encontro entre pessoas, uma ação que tem sua origem em Jesus, o Senhor. Ela é uma ação pascal, um acontecimento que nos transporta para um caminhar com a vida de Jesus, participando com ele da sua paixão, morte e ressurreição. Uma ação marcada pelo tempo litúrgico e requer de nós uma participação ativa e envolvente. Com o fim do Ano Litúrgico somos chamados a uma reflexão do que fica e do que continua.

O Reino e nós, igreja que caminha

Vivemos um ano missionário. Chamados a ser Igreja viva e missionária, em saída, continuamos agora acompanhando as atividades que virão das novas diretrizes da ação evangelizadora propostas tanto em nossa Arquidiocese, mas também para o Brasil de forma a testemunhar o Reino de Deus. Vamos ser uma casa de portas abertas para acolhida, do cuidado e também casas de envio para a proclamação da Palavra, pois somos chamados a ser casa: da Palavra, da Caridade, do Pão e da Missão. Coloquemos à disposição o nosso coração para que ele seja engendrado pelo coração do Cristo e nele possamos ter o seu próprio sentimento.

Sejamos sempre pedras vivas da casa do Senhor, o Deus da vida.

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano
Bíblico-Catequético de Belo Horizonte