Você está em:

[Artigo] As raízes da Eucaristia na Bíblia e na vida da Igreja – Neuza Silveira, Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte

Mês de Setembro – Mês da Bíblia – Mês em que estamos fazendo a experiência viva da Palavra que nos impulsiona para se colocar na busca de um conhecimento maior do amor de Deus que revitaliza a certeza da nossa fé em jesus Cristo.  Ele – o Cristo – é a Palavra encarnada que nos conduz à comunhão com Deus; Ele se faz em alimento para nós, se faz caminho e torna caminho para nós, nos dando a direção. Caminha junto conosco, aceita-nos como somos, até mesmo as nossas fragilidades. Ele é a fonte da nossa esperança, vem. Fica conosco, nos alimenta de si mesmo e do amor do Pai, para que possamos retornar com ele.

Nesse sentido, vamos fazer essa pequena reflexão sobre a Eucaristia, alimento dado por Jesus que nos fortalece na caminhada de fé, recebendo dons de Deus e partilhando dons recebidos, levando o anúncio da Palavra a todos aqueles que desejam escutar.

A comunhão da vida divina e a unidade do Povo de Deus se realizam na Eucaristia. Esta é fonte e Ápice de toda a vida cristã. Assim, as celebrações eucarísticas se tornam essenciais para a vida do cristão, pois nos une à liturgia celeste e nos antecipa a vida eterna. Quando percorremos algumas páginas da Bíblia, podemos ver, nela, como está enraizada toda a compreensão e o sentido do ensinamento de Jesus. Aquilo que o povo do seu tempo viveu, as primeiras comunidades experimentaram na vida e, mais tarde, deixaram por escrito para toda a humanidade.

A Eucaristia no Evangelho de João

No Evangelho de João, depois de ter comido o pão abençoado por Jesus, aquela multidão, não mais o vendo por ali, sai à sua procura e o encontra às margens do outro lado do mar. Então lhe pergunta: Mestre como chegaste aqui? E Jesus lhes responde: “Não é porque vistes sinais que me procurais, mas porque comestes pães à saciedade. É necessário que vos empenheis, não para obter este alimento perecível, mas o alimento que permanece para a vida eterna, o qual o Filho do Homem vos dará, pois foi a ele que o Pai, que é Deus mesmo, marcou com o selo” (TEB, Jo 6,26-27). Para João, a vida eterna é antes de tudo, a existência reconciliada com Deus, e neste sentido, vida e fé é uma coisa só.  Assim como precisamos do pão (o alimento de cada dia que nos sustenta na caminhada terrena), também precisamos de nos empenhar para alimentarmos do pão (pão eucarístico) que produz frutos para caminharmos com Jesus na vida eterna. Então, quando convidados para fazer parte da celebração Eucarística e participar da santa comunhão, o povo de Deus se faz presente incorporando-se à Igreja católica pela fé, constituindo-se em corpo que dá a vida a ela, procurando sempre se reconciliar com o irmão.

Na Eucaristia partimos um único pão.

Na Eucaristia está a presença real de Jesus Cristo, conforme nos ensinaram o próprio Senhor. Em João 6,56-57 Jesus disse: “Aquele que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. E como o Pai, que é vivo, me enviou e eu vivo pelo Pai, assim aquele que comer de mim viverá por mim”.

Segundo o Papa Bento XVI, viver a vida cristã é viver a santidade. Ele diz “Uma vida santa não é primariamente o resultado de nossos esforços, das nossas ações, pois é Deus que nos torna santos e a ação do Espírito Santo, que nos anima a partir do nosso inteiro, é a própria vida de Cristo Ressuscitado que se comunicou a nós e nos transforma” e Explica: “A santidade tem sua raiz principal na graça batismal, no ser introduzido no mistério pascal de Cristo, com o qual nos dá seu Espírito, sua vida de Ressuscitado”.

Como podemos nos alimentar de Jesus?

Ás vezes, se não pararmos um pouco para refletir sobre o que Jesus nos quer dizer com isso: Comer da sua carne? Beber do seu sangue? Podemos ficar um tanto admirados e espantados quanto àqueles que ouviam Jesus falar. Os judeus que ouviam Jesus se perguntavam: “Como é que este homem pode dar-nos a sua carne a comer?” (Jo 6,52). Até mesmo os discípulos que conviviam bem próximos de Jesus e compreendiam seus ensinamentos, ao ouvi-lo falar, sabia que Jesus estava se referindo a Ele mesmo quando dizia: Comer da minha carne, beber do meu sangue, e assustados, comentavam entre si: “Essa palavra é dura! Quem pode escutá-lo?” (Jo, 6,60). Mas Jesus os ajudava a compreender. E através de seus ensinamentos disse: “Eu sou o pão vivo que desce do céu. Quem comer deste pão viverá para a eternidade (Jo 6, 51). Jesus afirma ser o pão que desceu do céu, assim como o alimento que o Senhor Deus enviou para o seu povo, no deserto, a casa de Israel deu o nome de Maná e disse ter sabor de bolo de mel (Ex 15,15.31) . Antes, Deus enviou alimento para o povo no deserto caminhar, Agora, Deus o envia para ser alimento para a salvação do mundo, isto é, salvação de todos os homens, em todos os tempos. É a promessa da vida eterna. “O Filho do Homem vem do céu e volta para o céu, e os que nele crêem, e dele alimenta, participam dessa vida que está nele. A Eucaristia é o fermento da ressurreição para os que crêem (cf. Jo 6,39.40.44; 5,21-29), e querem caminhar com ele. Permanecer unido a Cristo, ao seu amor, torna-se fácil percorrer o caminho que ultrapassa a lei e a justiça, pois sua lei é o caminho do amor, testemunhado a cada dia.