Você está em:

[Artigo] Amar a Vida que vive. Viver a Vida que ama – Silma Mendes Berti – Membro do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Belo Horizonte

A Vida é o bem maior na esfera natural e na esfera jurídica. Não é uma concessão da sociedade nem uma prestação do Estado. É um bem anterior ao Direito que a ordem jurídica deve integrar e assegurar. Assim, a Constituição do Brasil, bem como documentos internacionais como a Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789, as leis ordinárias consagram em seus textos o direito à Vida, assegurando-lhe a inviolabilidade como o primeiro de todos os direitos atribuídos à pessoa humana. Naturalmente, desde a concepção. Direito que o Estado tem interesse em garantir, como condição de sua própria existência, por ser o indivíduo um elemento indispensável e fundamental de sua organização social e política.

A proteção à Vida é, pois, direito de todo ser humano e dever de toda humanidade, previsto não só nas leis dos homens, mas, principalmente, nas leis divinas. Com efeito, que aspiração pode ser maior que a Vida? A Vida exige um compromisso de amor, de acolhida e de respeito por toda criatura, desde a concepção até seu fim natural. A Vida é um continuum, pode ser comparada a um texto, cortado em vírgulas, mas que não tem, até seu término, qualquer ponto. É frase única, que contém em si a beleza para encantar, luz para iluminar outras Vidas e grandiosidade para doar.

A Palavra de Deus nos revela que não há maior amor que dar sua Vida pelo outro. Dar a Vida não é apenas transmiti-la. É muito mais. É envolver-se por inteiro, pois “onde está o seu tesouro, também estará o seu coração – [Mateus 6, 21]”. A Vida é um presente, expresso no direito de viver todo o percurso do rio da Vida, ainda que se desconheça a razão de tamanha graça. A Vida é dom, por isso viva [ São João XXIII]. Valorize o dom da Vida vivendo, e permitindo que outros vivam com dignidade.  A Vida é a mais bela verdade e a mais bela das festas!  Valorize a Vida em sua plenitude e totalidade, pois toda expressão origina-se do pensamento divino, parte ativa da criação de Deus.

O Conselho Pró-vida da Arquidiocese de Belo Horizonte promove o IV Simpósio Arquidiocesano Pró-vida: O nascer e o morrer com dignidade, no dia 19 de outubro (sábado), das 8h às 18h, no Auditório da PUC Minas, na Praça da Liberdade. Clique aqui e inscreva-se.