Você está em:

[Artigo] A vida nova, que nasce de Jesus, se destina a todos os homens – Neuza Silveira (Catequista)

Com o Batismo de Jesus temos o “querigma cristão”. Podemos encontra-lo na leitura bíblica de Atos dos Apóstolos. A pregação do Apóstolo Pedro representa o anúncio do Evangelho nos primeiros tempos do cristianismo: por Jesus, Deus deu a “paz” ao mundo. Jesus recebeu o batismo de João, Deus lhe mandou seu espírito: “ungiu-o” como Messias. Jesus recebeu a plenitude do Espírito, que veio ao encontro dos homens com a missão de trazer a justiça e a paz definitivas, que sofreu e morreu para ser fiel a essa missão, que o Pai lhe confiou.

Na Leitura (At 10,34-38) Pedro nos conta como se dá conta de que Deus não faz acepção de pessoas. Por todos os lados, em qualquer nação, quem o teme e pratica a justiça, lhe é agradável. Ele se colocou atento à escuta da Palavra de Deus, respondeu ao chamado de alguém que dele necessitava e na nova experiência e abertura ao outro pôde compreender os ensinamentos de Jesus.

A vida nova, que nasce de Jesus, se destina a todos os homens. No seu discurso, Pedro começa por reconhecer que a proposta de salvação oferecida por Deus e trazida por Cristo é universal e se destina a todas as pessoas, sem distinção de qualquer tipo (vv. 34-36). Israel foi o primeiro receptor da Palavra de Deus; mas Cristo veio trazer a “boa nova da paz” (salvação) a todos os homens que aceitem a proposta e adiram a Jesus.

O Batismo de Jesus marcará o início de sua vida pública, de sua missão redentora no mundo. Assim também deve ser o nosso batismo, sacramento que nos aponta para a porta de entrada na comunidade cristã e o consequente início de nossa colaboração com Cristo. Somos chamados a sermos dom acolhendo o dom dos outros. Receber o dom do outro na gratuidade e perceber como esse dom transforma a vida daquele com o qual se relacionou e que foi acolhido com alegria.

O Batismo é o fundamento de toda a vida cristã, a porta de entrada na comunidade dos crentes. Assim como Jesus inicia sua vida pública, exercendo sua profecia ministerial com a força e o poder de Deus, assim também somos convidados por Ele a continuar esse anuncio que leva à conversão e à santidade. O Papa Francisco está sempre a nos alertar para o fato de que somos membros da Igreja de Cristo e sujeitos ativos da evangelização. Criados à imagem e semelhança de Deus somos chamados a colaborar com o criador, ajudando-o a cuidar do universo. Na sua misericórdia, ele caminha e renova sua aliança conosco nos reconduzindo sempre para o caminho da santidade.

Pensemos na nossa caminhada catequética, atentos à convivência fraterna e solidária, fazendo-nos missionários da Palavra, renovando nossas práticas, atitudes e até mesmo a nossa mentalidade para abertura ao novo que chega. Esse é o grande desafio evangelizador.

Neuza Silveira de Souza. Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte.