Você está em:

Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida

Referência no amparo aos mais pobres
 

“Minha netinha ficará feliz com o agasalho e os brinquedos doados pela Acolhida Solidária” (Rosângela Pires, desempregada, moradora da Pedreira Prado Lopes)

A Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida, que integra o Vicariato Episcopal para a Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte, será ampliada com a inauguração da Catedral Cristo Rei, que está sendo construída no Vetor Norte de Belo Horizonte.  A Acolhida Solidária oferece ajuda aos vulneráveis e excluídos. “Defendemos os direitos dos que estão à margem da sociedade, se sentem abandonados. Há quase uma década, temos contribuído para mudar a vida dessas pessoas”, diz a coordenadora da Instituição, a advogada Cirlene Ferreira.

 O nome da Acolhida é uma homenagem a Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, arcebispo de Mariana, que faleceu em 2006 e dedicou a sua vida aos mais necessitados. Dom Luciano sempre incentivou a participação de leigos nos serviços e casas de atendimento aos idosos, crianças, jovens, homens do campo, dependentes químicos, moradores em situação de rua, pessoas pobres e com deficiência.

Cirlene Ferreira diz que a acolhida começa com uma escuta cuidadosa. “Primeiro, procuramos  resolver o que é urgente. Depois, trabalhamos em conjunto para que a reinserção social garanta dignidade e qualidade de vida”. O serviço funciona como  uma central que encaminha as pessoas para as pastorais da Arquidiocese, monitorando e acompanhando os atendimentos.

 

O professor de judô aposentado José Roberto de Pimentel e Medeiros, 67 anos, disse que o trabalho da Acolhida Solidária tem sido fundamental para possibilitar a presos melhor qualidade de vida dentro das carceragens. Faixa-preta em judô, José Roberto não possui filhos biológicos, mas “adotou” quatro presos. “Alguns deles não têm família, não têm ninguém no mundo e todos me chamam de pai.” Há 11 anos, ele faz visitas semanais à Penitenciária Nélson Hungria, onde estão dois de seus “filhos”.  Promove um momento de reflexão e leva uma mensagem de incentivo. Os outros apenados acompanhados por José Roberto estão em Ribeirão das Neves e no presídio de São Joaquim de Bicas. Quando não comparece às prisões, ele envia cartas.
 

A Acolhida Solidária, a pedido de José Roberto, ajuda familiares dos detentos com cestas básicas e outros doações. “Eu tenho certeza de que pelo menos algum deles, quando sair da prisão, vai se tornar uma pessoa bem melhor. Isso é o mais gratificante”, diz o professor.


O aposentado José Roberto exerce o dever cristão de visitar os que estão presos. Leva palavras de apoio e gestos de solidariedade, que contribuem na recuperação dos apenados. Graças à Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida, José Roberto pode ajudar as famílias dos apenados, que necessitam de cestas básicas e orientações     

Graças às doações de quem se sensibiliza com o sofrimento dos mais pobres, a Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida é referência para quem precisa de ajuda. Rosângela Aparecida Pires, que está desempregada e mora na Pedreira Prado Lopes, recorreu à Acolhida Solidária, pois precisava de um agasalho para a sua neta, de sete anos.  Além de uma blusa, ganhou também alguns brinquedos, que foram doados para a Instituição por pessoas solidárias. “Tenho certeza que minha neta ficará feliz. A Acolhida Solidária é muito importante para nós”, avalia Rosângela.

Amparo e solidariedade


 “A Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida é lugar de ajuda. Aqui as pessoas fazem o bem” (Márcio Afonso, morador de rua amparado pela Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida)    

Vivendo nas ruas da cidade, o desempregado Márcio Afonso estava há quatro dias com a mesma roupa, a única que possuía. Procurou a Acolhida Solidária porque gostaria de lavá-la e, para isso, precisaria de novas vestes. Ao receber um kit da Acolhida Solidária, pôde melhor cuidar da higiene pessoal. “A Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida é lugar de ajuda. Aqui as pessoas fazem o bem”, diz Márcio Afonso.