Você está em:

A economia na visão cristã da Evanlium Gaudium é tema de palestra de dom Walmor


Dom Walmor, em palestra sobre a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium
 

A exclusão social e suas consequências para a economia e a sociedade contemporânea, à luz das reflexões do Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (Alegria do Evangelho), foi tema da palestra do arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor, para empresários da Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresas (ADCE Minas).O encontro reuniu dezenas de líderes empresariais na Paróquia Nossa Senhora Rainha, no bairro Belvedere, região Centro Sul de Belo Horizonte, na noite de quinta-feira, dia 21 de agosto.

 

Dom Walmor  destacou a preocupação da Igreja com a exclusão social presente no documento que chama a atenção para “a crescente brecha existente entre os que vivem na dignidade e os que permanecem no submundo contrário á dignidade humana”. Uma realidade sobre a qual, segundo o arcebispo, a Igreja já havia manifestodo sua indignação no documento de Puebla,  em 1979, quando os bispos reunidos falavam do escândalo deste abismo  que separa os ricos e pobres. “E daquela data até o presente, não houve mudanças capazes de transformar a realidade dos excluídos”, observou.

Dom Walmor lembrou que por meio  da Evangelii Gaudium o Papa Francisco instiga, seus sacerdotes, religiosos e  lideranças políticas mas, especialmente, os líderes empresariais, protagonistas da economia mundial, a darem um passo novo no sentido de transformar este cenário de exclusão. “Realidade que agrava o quadro preocupante da desumanização, que esgarça a cultura e a identidade de um povo”. Uma trajetória em direção ao  caos que, segundo  o arcebispo,  se consolidada, tornará insustentável a ordem social, bem como   sua reorganização, pelo menos, para as mãos humanas.

Entre os caminhos apontados pelo Santo Padre para fazer frente ao atual modelo econômico, dom Walmor destacou os “nãos”  que devem ser assumidos pela sociedade, particularmente, pelas  suas lideranças: o “não” à exclusão social,  que  leva à globalização da indiferença, ao desconsiderar a primazia da  vida humana; o “não” à “nova”  idolatria dinheiro, fruto de uma crise antropológica, de valores, ao aceitar o domínio do dinheiro sobre o indivíduo e a sociedade, e o “não” ao dinheiro que governa, ao invés de servir,  provocando a rejeição da ética  e abrindo caminho para a corrupção e a violência. Violência que, segundo o Arcebispo,  atenta contra vidas imersas na indiferença criada pela cultura da exclusão.

A partir dessa análise, dom Walmor lembrou a árdua tarefa e a  responsabilidade que todos, clero, políticos, mas, especialmente aqueles que conduzem o mundo dos negócios e do trabalho têm pela frente, no sentido de transformar esta realidade à luz dos ensinamentos de Cristo.

 

O pensamento social cristão na gestão empresarial

 

Sérgio Frade

Para o presidente da ADCE Minas, Sérgio Frade, a reflexão sobre a Exortação  Apostólica  Alegria do Evangelho, ilumina  o olhar  de empresários e dirigentes de empresas cristãos sobre a realidade que os cerca, de um mundo  globalizado,  mercantilista, financeirizado  e tecnológico. E recorrendo a esse tesouro que é a doutrina social da Igreja, segundo Sérgio Frade, a ADCE busca incentivar o empresário a  ter maior  responsabilidade social perante a própria empresa e todo o seu entorno. “ Esta é uma postura que envolve um novo modo de gerir a mão de obra  dentro da organização e a relação da empresa com a sociedade, conciliando eficácia, eficiência e humanização do trabalho. A ideia é atuar em via de mão dupla com a sociedade”.

Ao defender a ação empresarial consolidada a partir do pensamento social cristão, conforme explica o presidente da ADCE Minas, a entidade pretende que  os dirigentes cristãos de empresas se comprometam com o próprio desenvolvimento por meio da espiritualidade e com a transformação de sua empresa e do mundo empresarial como um todo, contribuindo para a construção de uma sociedade mais solidária, justa, livre e humana.

 

Empresas com Valores

 

 

Sérgio Cavalieri apresenta projeto “Empresa com Valores”

Com a proposta de trabalhar os valores cristãos, em grupos de reflexão e vivência, a Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresas, a convite da CNBB, tem levado a empresários de todo o País o programa  Empresas com Valores.  Uma ação que, segundo o presidente  nacional da ADCE, Sérgio Cavalieri, visa a tornar realidade a humanização nas organizações. “São  valores que além de promover o trabalhador e ajudar a construir uma sociedade melhor para se viver, resulta em dados positivos, do ponto de vista econômico. “Todos querem ser colaboradores, parceiros, fornecedores e clientes de empresas que se orientam pela ética nas relações e na apresentação de produtos construídos com honestidade, com a melhor qualidade possível, para atender as expectativas do mercado”. Portanto, segundo o empresário, investir na humanização no mundo do trabalho e empresarial, ao contrário do que muitos pensam, também é um negócio lucrativo.