Você está em:

Educar requer uma grande dose de paciência, sabedoria, amor, perseverança e coerência para conseguirmos estabelecer limites sem podar a criatividade nem sermos autoritários em demasia, dar amor sem que com isto, e em seu nome, nos tornemos por demais permissivos, dar liberdade para que seja exercido o livre arbítrio de cada um, de modo que haja responsabilidade pelas escolhas e pelos atos praticados.

É importante corrigir sem ser excessivamente crítico de modo a não humilhar e desvalorizar, estabelecer regras que devem ser cumpridas, sem que sejamos tiranos, saber ser flexível, quando a situação requer, sem com isto estimularmos a impunidade.

É importante indicar caminhos sem que com isto queiramos percorrer caminhos alheios, posto que a vida se faz a cada passo, a cada momento, a cada opção feita, a cada ato praticado, a cada palavra dita (ou omitida), a cada mão estendida, a cada sorriso dado, a cada lágrima derramada, seja de alegria ou de dor.
    

Educamos através de coisas simples, que são reforçadas no dia a dia, como orientar a criança para cuidar do que lhe pertence e exigir respeito com os mais velhos

Quando uma criança chega à escola já leva uma bagagem de emoções, de sentimentos, de orientações recebidas, hábitos adquiridos pela educação que recebe na família na qual está inserida. Como vivemos em um mundo globalizado, onde a informação chega a cada casa com uma incrível velocidade, por vezes tudo que se tenta passar para uma criança, parece ser algo em desuso, sem valor, frente ao que é visto através da imprensa ou da mídia televisiva.
    

Educamos através de coisas simples, que são reforçadas no dia a dia, como ao orientar a criança para cuidar do que lhe pertence, não pegar nada do colega sem pedir permissão, não dizer palavrão, não mentir, exigir respeito com os mais velhos, que seja educado, gentil, que use palavras “mágicas” como bom dia, com licença, obrigado. É dever de quem educa ensinar a falar sem que precise gritar, a não jogar lixo na rua e uma série de outras regras básicas de boa, pacífica e respeitosa convivência.
    

Hoje temos que ser verdadeiros artistas para conseguirmos formar um cidadão de bem, sem corrermos o risco de sermos taxados de alienados diante da realidade que nos é mostrada, onde parece que prevalece a impunidade, a falta de caráter, de respeito e de limites.

Isabel C. S. Vargas
www.brasilescola.com