Você está em:

A Catequese no processo de Evangelização

A evangelização exige, hoje, homens e mulheres, jovens e adolescentes desejosos de inovar a partir da proposta feita pelo Mestre Jesus a Nicodemos: “quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus” (Jo 3,5), ou seja, nascer de novo, renascer. Este é o convite que Jesus continua fazendo por meio da Igreja, que é a continuadora de sua missão.

O propósito da Evangelização é levar as pessoas a um encontro com Jesus Cristo. Esse primeiro anúncio, como vimos, o querigma, encontra-se no processo da Iniciação Cristã, que é a maneira prática de colocar alguém em contato com Jesus Cristo; de ajudá-lo a fazer a experiência pessoal e comunitária de Deus: O Pai que se revelou plenamente em Jesus Cristo plenifica sua Aliança com o Filho, enviando-o ao mundo para que todos tenham a vida por meio dele e nele.


Apresentando o anúncio primeiro que consiste em: Jesus foi crucificado, morto e sepultado; Deus o ressuscitou; somos testemunhas disso; Ele está vivo no meio de nós, a Igreja de Jesus Cristo, alicerçada sobre o fundamento dos Apóstolos, prega-o como núcleo central da fé. Com essa pregação catequética, a Igreja faz com que Jesus Cristo se torne cada vez mais conhecido e amado, reconhecido como o caminho, verdade e vida.

A realidade atual que nos interpela


A realidade atual deixa transparecer um grande comodismo dos cristãos na vivência da fé. Ela está sempre a nos interpelar, e nos chama a um novo jeito de evangelizar que possa acompanhar as grandes e rápidas mudanças de época.  Esse tempo exige de todos nós a interligação entre fé e vida, ou seja, confrontar a fé com a realidade e se comprometer mais firmemente com a Igreja, lembrando sempre que Igreja significa “um corpo constituído de toda a comunidade cuja cabeça é Cristo”.

A Igreja é o centro de irradiação da vida em Cristo por meio da comunidade de batizados que a constitui. Ela anuncia a todos os ensinamentos de Jesus e ajuda-os a observar o que o Cristo ordenou, fazendo discípulos para o seu seguimento (cf. Mt 28,19).

No início do Cristianismo, a partir da experiência das primeiras comunidades, a fé era vivida com coragem e compromisso, levando a sério os ensinamentos dos Evangelhos. Naquela época, quem quisesse ser cristão tinha que escolher com firmeza esse caminho, pois o cristianismo ainda não era reconhecido como religião e ainda não fazia parte da cultura dominante. Hoje, os caminhos são bem mais fáceis. Somos introduzidos na vida do Cristo, pelo Batismo, desde pequenos e por tradição. Mas, na idade jovem e adulta somos convidados a fazer uma adesão pessoal, individual e a fortalecer a nossa fé, por meio de uma educação vista como processo contínuo e permanente, em que a catequese exerce o seu papel fundamental de verdadeira orientação de um encontro de pessoas: a pessoa do catequizando com a pessoa de Cristo.

A catequese verdadeira leva à libertação


A catequese proporciona ao catequizando um relacionamento de acolhida das outras pessoas, do mundo de Deus e de responsabilidade própria diante dos desafios que a fé lhe apresenta. Para tanto, de um lado, as pessoas necessitam educar-se, abrindo-se na fé para a mensagem que a catequese oferece. Por outro lado, para que a catequese produza tais frutos, os catequistas necessitam inserir-se em um processo de formação permanente, se comprometer por meio da participação ativa na comunidade e se deixar seduzir pelo Espírito que sopra onde quer, quando quer e como quer.

Ainda hoje, muitas pessoas, ao receber a educação da fé, a recebem de forma infantil por uma catequese mais informativa, dogmática, direcionada para a recepção dos sacramentos, sem o aprofundamento que leve as pessoas a interagir sua fé com a prática cristã, a se comprometer, a engajar-se nos trabalhos pastorais. O ser católico tornou-se algo ocasional. A nossa realidade está a nos exigir muito mais.

A Catequese como instrumento de transformação

A catequese necessita ser um instrumento eficaz de transformação pessoal e comunitária, sendo importante, para o trabalho catequético o conhecimento das realidades humanas e dos agentes nelas envolvidos. Grandes são os desafios da realidade: apresentam problemas de ordem ética, cultural e religiosa, exclusão e miséria, violação dos direitos humanos, agressão à vida e à natureza, indiferença religiosa. No campo religioso há o desafio da diversidade de expressões com o catolicismo e o protestantismo, no pluralismo de culturas e várias outras crenças.

Ao evangelizar, exigem-se dos agentes de educação da fé a formação, muita atenção à diversidade de prática religiosa, respeito, abertura sincera e solidariedade. Só assim a catequese pode fazer ecoar a Palavra de Deus, os ensinamentos de Jesus e produzir bons frutos, diante da diversidade.

As exigências para uma catequese efetiva e eficaz

Percebendo essa realidade, a Igreja nos convida à realização de uma catequese mais efetiva e eficaz. Várias são as exigências, tais como: formação catequética, metodológica, bíblica, querigmática e doutrinária, para atender à comunidade na sua diversidade;  um modelo de catequese inspirado  nas primeiras comunidades,  um jeito de catequizar que hoje chamamos de Iniciação à Vida Cristã; a realização de um bom trabalho pastoral com o efetivo envolvimento da comunidade, estar atentos às características de “comunidade cristã”, que são:


a)    Escuta orante da Palavra de Deus – Fonte da catequese (DNC 106);
b)    Vivência litúrgica (DPLS 98 a 122);
c)    Solidariedade e amor fraterno;
d)    Engajamento na transformação social.

Segundo as Diretrizes do Processo Catequético na Arquidiocese de Belo Horizonte e, a partir de várias outras orientações em documentos como: Catequese Renovada, Diretório Nacional de Catequese, Ad Gentes, Catechesi Tradendae, Documento de Aparecida, a catequese precisa desenvolver um projeto catequético que acompanhe e eduque a fé das pessoas, contemplando todas as etapas do seu crescimento humano-espiritual: crianças, adolescentes, jovens, adultos.

Uma catequese como processo contínuo e permanente

A catequese não pode ser pensada apenas como preparação para os sacramentos, mas ela é um processo contínuo de constante crescimento e amadurecimento da fé.

Para que esta catequese aconteça em nossa realidade atual, primeiramente tem-se que mudar o jeito de pensar a catequese. É preciso acontecer uma mudança paradigmática: Uma catequese que não seja apenas de preparação para os sacramentos, com tempo determinado, e no final uma formatura. Mas uma catequese contínua, permanente e necessária que leve aos catequizandos o desejo de receber os sacramentos e continuar na caminhada .

 

Neuza Silveira de Souza – souza.z@terra.com.br
Comissão Arquidiocesana Biblico-Catequética de Belo Horizonte