Você está em:

A autoridade do Grande Mestre

“Ele as ensinava como quem tem autoridade, não como os escribas” (Mc 1,22)

Esta frase nos remete a imaginar a forma, o jeito, a maneira como Jesus falava das coisas, como se posicionava diante dos fatos da realidade, como era a sua atitude diante da sociedade e da religião de seu tempo. Suas palavras despertavam a confiança nas pessoas, ativando esperanças e fazendo desaparecer os medos. Suas parábolas atraíam para o amor a Deus, não para a submissão cega à lei. Sua presença fazia crescer a liberdade, não a servidão; suscitava o amor à vida, não o ressentimento.

A este modo de falar, Marcos o chama “ensinar com autoridade”. Autoridade é o oposto à imposição. Do latim “augere”, significa aumentar, elevar, sustentar… “Falar com autoridade” não significa, falar grosso, falar alto ou falar agressivamente, pois são formas dos autoritários quererem se impor.

Podemos fazer aqui a distinção entre “autoridade” e “poder”: esse último se baseia na força; aquela, no carisma pessoal e no reconhecimento merecido pelo próprio comportamento. O poder busca a submissão; a autoridade só tem como objetivo o bem da pessoa e seu crescimento. Frente ao poder, o ouvinte pode sentir medo; diante de quem tem autoridade, sente confiança e ânimo.

O Mestre da Galiléia fala sobre o que viu e experimentou. Por isso, se atreve a falar em primeira pessoa. Passou por um processo no qual foi aprendendo a “pôr nome” naquilo que ia vivendo.

Nesse percurso, foi levado a profundezas que lhe permitiam conectar com as vivências mais profundas das pessoas que, por sua vez, se sentem reconhecidas e “lidas” em seu interior.

 

“Falar como quem tem autoridade” significa alguém manifestar coerência entre o que fala e o que pratica; significa alguém falar o que lhe vem de dentro do seu coração, de seu interior. E, com certeza, Jesus não tinha esta dualidade

No entanto, os “letrados e mestres da lei” de todos os tempos e lugares tendem a oferecer “doutrina enlatada”, à qual as pessoas dão assentimento, mas que não traz nada novo. Costuma ser um receituário de conceitos aprendidos, adornados com opiniões de letrados anteriores ou de superiores hierárquicos. Transmite doutrina, mas não há vida; fixa na ortodoxia, mas falta experiência pessoal naquilo que se fala e a “novidade” que nasce da interioridade. É exercício de pura erudição que costuma deixar frios os corações dos ouvintes. Corre-se o risco de esclerosar-se, afastando-se cada vez mais da vida e das preocupações das pessoas.

O contraste é patente: o mestre de Nazaré cria algo novo. Os letrados e os sacerdotes buscam, acima de tudo, conservar. A mensagem desses tende a ser repetitiva e rotineira; a do mestre, no entanto, por mais vezes que o escutemos, sempre tem sabor do “novo”. Quanto mais distante esteja uma palavra da experiência, menos dinamismo transformador ela tem sobre as pessoas.

“Falar como quem tem autoridade” significa alguém manifestar coerência entre o que fala e o que pratica; significa alguém falar o que lhe vem de dentro do seu coração, de seu interior. E, com certeza, Jesus não tinha esta dualidade: o que Ele falava era o que Ele interiormente acreditava e existia dentro d’Ele.

Geralmente as pessoas ficam assombradas quando a mensagem que ouvem lhes soa como “novo” e, ao mesmo tempo, encontra “eco” em seu interior. E isso ocorre porque quem fala “conecta” com a realidade que, talvez ainda adormecida, habita já nos ouvintes. Se não há novidade, não é fácil que se produza assombro; a rotina só provoca acomodação, adormecimento e vazio.

Mas se é só “novidade”, o assombro será superficial e passará tão rapidamente como chegou. E isso não foi o caso de Jesus. A multidão que o escuta fica “assombrada” porque se sente “tocada” por aquilo que o Mestre dizia: Ele soube “pôr palavras” naquilo que as pessoas já sentiam ou intuíam, embora sem ter consciência disso. Poderíamos dizer que Jesus sabia “empalavrar” a realidade; n’Ele, as palavras não se reduziam à oralidade, mas envolviam todas as expressões humanas: gestualidade, presença compassiva, postura ética, expressões corporais acolhedoras, sentimentos… Em Jesus, as palavras são, ao mesmo tempo, pensamento, ação, sentimento…, que desencadeavam um “movimento” no interior das pessoas, abrindo-lhes um novo horizonte de sentido. Daí a sedução que Ele exercia sobre elas.

Graças à interiorização da mensagem de Jesus, poderemos, também nós, levar algo de luz e de calor a tanta gente que busca, porque se sentirá “alcançada” em seu coração. Isto requer que, seguindo o “mestre interior”, passemos pela experiência, percorrendo nosso próprio caminho espiritual: “falar com autoridade” implica desapropriação e esvaziamento do próprio ego. Esse caminho nos conduzirá mais e mais ao nosso “centro”, esse centro que compartilhamos com todos os seres. Por isso, quando falarmos a partir dele, notaremos vibrar os corações daqueles que nos escutam.

No fundo, estamos todos já conectados; somos como pequenas ilhas separadas na superfície, mas compartilhamos a mesma terra comum no nível subterrâneo; somos como os poços que vemos igualmente separados, mas somos portadores da mesma água que, no manancial subterrâneo, nos “une” a todos.

Talvez este seja um dos desafios mais fortes no mundo contemporâneo: cristãos que falem com autoridade, pessoas de uma rica profundidade, capazes de apontar caminhos para que outros também encontrem a vida verdadeira, plena e abundante à que todos somos chamados.

Nunca a humanidade esteve tão ávida de pessoas assim. Ela não quer mais discursos vazios, desenraizados, contraditórios… clama por caminhos seguros, verdadeiros, que deem sentido à vida.

 

Não é a forma que vai dar autenticidade ao que se fala, mas o interior daquele que profere a palavra.

Um mundo melhor, um mundo solidário, fraterno, amigo, deve existir, antes de tudo, dentro do ser humano; somente a partir daí cada um tem condições de propagar esse mundo desejado. Ou seja, se dentro da pessoa existe ódio não dá para proclamar a paz; se dentro da pessoa existe desamor, não dá para anunciar o amor; se dentro da pessoa existe cobiça, não dá para anunciar o desapego; se dentro da pessoa existe a ambição, não dá para anunciar a humildade.

Quem tem como rotina de vida “ficar enredado” em redes sociais e TV, com os programas que são “vomitados”, dificilmente terá profundidade, dificilmente terá raízes que o sustentem nos momentos desafiadores da vida, que com certeza aparecerão. No entanto, pessoas que conseguem parar, ter tempo para si, recompor-se, fazer silêncio, interiorizar-se, contemplar, perceber a alegria da vida, das pessoas, da família, das crianças, da simplicidade… essas com certeza “falarão com autoridade”; ou seja, serão farol para conduzir e apontar caminhos.

Texto bíblico:Mc 1,21-28

Na oração: Vivemos cercados de “palavras vãs”, condenados a uma civilização que teme o silêncio (há demasiado ruído em nós e em torno a nós). Fala-se muito para dizer bem pouco; há demasiado palavrório. Carecemos de interioridade.

O silêncio não é o contrário da palavra. É sua matriz. Talhada pelo silêncio, mais significado ela possui. O tagarela cansa os ouvidos alheios porque seu matraquear de frases ecoa sem consistência.

Já o sábio pronuncia a palavra como fonte de água viva. Ele não fala pela boca, e sim do mais profundo de si mesmo. Sabem os místicos que, sem calar o palavreado crônico, é impossível ouvir, no segredo do coração, a Palavra de Deus que neles se faz expressão amorosa e ressonância criativa.

Pe. Adroaldo Palaoro, SJ