Você está em:

5ªAPD: Igreja define atuação nas áreas pastoral, social e da espiritualidade

Mais de mil representantes indicados pelas comunidades de fé da Arquidiocese de Belo Horizonte reuniram-se na Etapa Arquidiocesana da 5ª Assembleia do Povo de Deus, no sábado, dia 15 de outubro, no Ginásio do Colégio Pio XII. Organizados em diversos grupos, os fiéis, junto com os bispos, padres e religiosos, ajudaram a definir as Diretrizes da Ação Evangelizadora da Arquidiocese de BH, que integram o “Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra”- nome que também foi aprovado pelos fiéis. O documento dará origem aos Planos de Pastoral, com atividades específicas nas áreas da espiritualidade encarnada, vida comunitária e inserção social.

Dentre as iniciativas inovadoras da Igreja destaca-se a criação dos Vicariatos Missionários. Esses novos vicariatos vão atuar no Vale do Paraopeba, nas Vilas e Favelas, e nas cidades históricas situadas no território da Arquidiocese e Belo Horizonte, que abrange a capital mineira e 27 municípios da Região Metropolitana. Um dos principais objetivos da iniciativa, segundo dom Walmor, “é fortalecer as redes de comunidades, fazendo-a crescer, multiplicando os ministros da Palavra, particularmente naquilo que é específico de cada uma das comunidades. Somos nós, inventando, criando novas possibilidades de evangelização, como nos é exigido: novas respostas, para um novo tempo”.

Durante a abertura do evento, dom Walmor enfatizou o significado da Assembleia do Povo de Deus não só para a comunidade católica, mas para toda a sociedade: “Nossa igreja tem consciência de que o Evangelho de Jesus Cristo é o núcleo mais importante para nossa vida e no tempo que temos para viver a caminho do bem definitivo, mas, também, sabemos que a vida muda muito, a cultura é plural e o mundo evolui com muita rapidez. Por isso, temos que dar novas respostas. Graças a Deus, percorremos um caminho fecundo com dez perspectivas muito importantes para desenvolvermos nossos projetos e darmos novas respostas. Essa é a nossa grande tarefa e a nossa esperança  é darmos novos passos na missão da igreja, chamada a proclamar a Palavra.  Essa é nossa perspectiva, o nosso horizonte para os próximos anos. Assim desejamos que as comunidades de fé se fortaleçam, as pessoas deem  a sua contribuição, a igreja seja uma igreja em saída,  ainda mais próxima e em diálogo especialmente com os mais pobres”, destacou o Arcebispo.

Um dos momentos mais importantes da Assembleia Arquidiocesana foi o estudo em grupo e a votação dos itens que compõe as Diretrizes Gerais. Quem esteve presente teve a oportunidade de analisar, opinar, escolher, durante a plenária, as ações de evangelização e inclusão social da Arquidiocese. O vigário especial para a Ação Pastoral, padre Áureo Nogueira, explicou que as dez propostas aprovadas passam a constituir as Diretrizes da Ação Evangelizadora da Arquidiocese de BH. Assim, elas vão nortear a elaboração de um plano de evangelização  avançado,   com questões relacionadas à família, à juventude, à política, tendo em comum aspectos que dizem respeito aos cuidados com a pessoa, com a comunidade e com espiritualidade, na perspectiva da fé que envolve a participação do cristão na sociedade, sobretudo na dimensão do compromisso com o social.

Essas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Arquidiocese de Belo Horizonte são resultado de reflexões e do caminho percorrido durante as Assembleias Paroquiais, Forâneas, Regionais e Arquidiocesana. Para subsidiar o trabalho, a  Arquidiocese de BH também buscou ouvir os muitos segmentos da sociedade a respeito da atuação da Igreja Católica. Um questionário foi disponibilizado no site da Arquidiocese e também nas paróquias. Mais de seis mil pessoas o responderam.

Desde o início do ano, em reuniões nas comunidades paroquiais e nas instituições diversas da Arquidiocese, os fiéis avaliaram os trabalhos desenvolvidos pela Igreja e apontaram caminhos a serem seguidos. No encontro de sábado, as diretrizes indicadas nesse percurso foram votadas e definidas. Posteriormente, elas serão publicadas, na forma de documento, pela Arquidiocese de Belo Horizonte e nortearão os trabalhos nos próximos anos.